Aparecem os documentos que comprovam acusações da JBS contra Temer

Dois fornecedores de uma campanha apoiada por Michel Temer em 2012 receberam, durante as eleições, R$ 1,160 milhão do frigorífico JBS, do delator Joesley Batista.

Trata-se de um dos capítulos da megadelação que cita especificamente o presidente Temer.

De acordo com o delator, partiu de Temer o pedido para que a JBS ajudasse a custear a campanha de Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo em 2012, pelo PMDB.

Joesley então apresentou à Procuradoria-Geral da República uma tabela com o “beneficiário” Michel Temer e uma série de notas fiscais de empresas que, segundo o delator, eram caixa dois para Chalita.

Esse é o resumo que Joesley Batista fez do caso:

BuzzFeed News cruzou as notas fiscais pagas pela JBS com os fornecedores da campanha de Chalita em 2012. Em dois casos, o mesmo prestador de serviços enviava uma nota para a campanha e, usando outro CNPJ, recebia também da JBS.Foi assim que aconteceu com a MPB, especializada em marketing político. Nos registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), essa empresa recebeu R$ 450 mil da campanha de Chalita.

 De acordo com os registros da Receita Federal, a MPB tem entre seus sócios Augusto Fonseca e Eduardo Freiha.

Já nas notas fiscais da JBS, aparecem as empresas Opinião Comunicação e a MPC. No total, as duas receberam R$ 960 mil do frigorífico. As notas foram emitidas em agosto de 2012, quando a campanha de Chalita já estava na rua.

Esta foi a nota emitida pela MPC.

Os registros da Receita Federal mostram que os sócios da MPC e da Opinião são também da MPB, aquela que trabalhou na campanha de Chalita: Eduardo Freiha e Augusto Fonseca.

Em outras palavras: Eduardo Freiha e Augusto Fonseca receberam por meio de suas empresas dinheiro da campanha de Chalita e da JBS. Na campanha, em julho e setembro de 2012. Do frigorífico, em agosto daquele ano.

Leia também: Lula pode ganhar no primeiro turno, mostra pesquisa Vox Populi

Veja os documentos completos  na matéria original do Buzzfeed Brasil

Anúncios

Crise? Temer aumenta em 50% verbas para Globo e redes sociais

Em comparação com 2015, os gastos do governo federal com mídia e publicidade cresceram 55%, segundo levantamento feito pelo jornalista Miguel do Rosário, do Cafezinho; de acordo com a pesquisa, veículos do Grupo Globo e o Facebook tiveram aumentos de mais de 50% em suas verbas – a Globo amealhou 42% de toda a verba para as TVs e o Facebook abocanhou 36% de toda a verba destinada a veículos digitais; já a empresa pública EBC teve corte de 74% em seu orçamento

Miguel do Rosário, no blog O cafezinho

O golpismo compensa no Brasil.

Austeridade fiscal vale só para saúde, educação, pesquisa e infra-estrutura.
Quando se trata da Globo, Veja, Facebook, Folha, Estadão, Istoé, o governo federal é o mais generoso do mundo.

Segundo números atualizados da Secom, compilados com exclusividade pelo Cafezinho, os recursos de publicidade federal destinados à TV Globo cresceram 55% nos dez primeiros meses de 2017, na comparação com o mesmo período de 2015.

Comparei 2017 com 2015 para medir com mais clareza a mudança no período anterior e posterior ao golpe.

Em 2015, a TV Globo detinha um percentual de 42% das verbas federais destinadas a veículos de TV, o que já era uma concentração bizarra.

Em 2017, a fatia da Globo ficou em 51,27%.

A Veja também se deu bem no governo Temer: em 2017, ficou com 43% de toda verba destinada às revistas.

Os jornalões viram suas verbas de publicidade federal crescerem dramaticamente depois do golpe.

O Estadão recebeu, nos dez primeiros meses de 2017, um total de R$ 1,2 milhão, um crescimento de 677% sobre igual período de 2015.

No total, os veículos do grupo Globo receberam R$ 46 milhões do governo federal em Jan/Out de 2017, aumento de 50% sobre 2015.

É importante lembrar que estes valores, além de correspondem a 10 meses, são relativos apenas aos gastos do governo federal e ministérios. Se somarmos as despesas das estatais com publicidade, este número costuma se multiplicar por três.

Curiosamente, a imprensa tradicional nunca mais fez reportagens sobre as despesas do governo com mídia.

Ministério Público e Judiciário aceitam na boa esse evidente sequestro da vontade popular, onde um governo com aprovação de 3% despeja cada vez mais dinheiro exclusivamente em órgãos de informação que apoiam as reformas defendidas pelo mesmo governo.

Os recursos da Secom para EBC foram reduzidos em 74%.

O Facebook, tão prestativo em censurar páginas políticas de esquerda, já está mordendo 36% de toda a verba federal destinada à internet.

Em 2015, antes do golpe, a fatia do Facebook no total das verbas federais para internet era de 23%.

O aumento de verbas federais para o Facebook, depois do golpe, foi de 53%.

A principal executiva do Facebook no Brasil, a senhora Cláudia Gurfinkel, justificou a censura às páginas políticas dizendo que o “principal incentivo deles é econômico”…

Bem, a sede do Facebook pelos impostos do contribuinte brasileiro nos faz pensar que a corporação norte-americana não é exatamente um modelo de abnegação.

Outro argumento de Gurfinkel para censurar as páginas políticas é que elas teriam “muitos anúncios”. Bem, quando se tem generosas publicidades federais, pode-se, obviamente, reduzir o número desses anúncios programáticos que somos obrigados a inserir.

Carmen Lúcia, presidenta do STF, precisa atualizar aquela frase sobre a vitória do escárnio sobre o cinismo. Dou uma sugestão: a falsidade, a hipocrisia, venceram o escárnio.

Temer teve encontro as portas fechadas com o novo chefe da PF, na calada da noite, as pessoas acham isso normal?

O presidente Michel Temer chamou nesta quinta-feira (16) o novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, para um encontro no Palácio do Planalto.

Segundo o blog apurou, também foi chamado para o encontro o subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha.

O encontro entre Temer e Segóvia, que foi realizado às 13h30, não estava previsto na primeira versão da agenda do presidente, divulgada à imprensa.

Somente às 18h15, quase cinco horas após a reunião entre os dois, a Presidência da República divulgou uma nova versão da agenda, informando sobre o encontro.

Na semana passada, Segovia foi indicado para o cargo pelo presidente. Ele tomará posse no próximo dia 20, substituindo o antigo diretor-geral da corporação Leandro Daiello, que entrou com pedido de aposentadoria após a troca.

Procurado pelo blog sobre o motivo do encontro e por qual motivo a reunião não estava na agenda, a Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto disse que “o diretor geral da PF veio ao palácio convidar o presidente para sua posse no dia 20”.

Além disso, afirmou que Gustavo Rocha “despacha todos os dias com o presidente, e estava na gabinete para colher assinaturas para atos oficiais do governo”.

Leia também: Justiça de Nova York revela processo de propina da Globo

 

Em nota, a assessoria de imprensa da PF informou que Segóvia “foi entregar pessoalmente um convite para a solenidade da posse ao presidente”. Segundo a assessoria, o assessor Gustavo Rocha “não presenciou” o encontro.

Fonte: Blog da Andrea Sadi, Globo News

Enfermeiras choram após UTI pediátrica fechar por corte de recursos de Temer e PSDB

Via G1

Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica da Santa Casa de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, foi fechada por falta de repasses do governo do estado. Segundo a diretoria do hospital, que atende a pacientes de 19 municípios da região, os médicos não recebem há quatro meses e a maior parte dos que atendiam na UTI pediram a rescisão do contrato.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) informou que aguarda a liberação dos recursos por parte da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz-MT) para poder efetuar o pagamento e que isso deve ocorrer o mais rápido possível. No entanto, a pasta não deu um prazo para o pagamento.

Atualmente, só dois pacientes estão internados na UTI pediátrica, mas eles devem ser transferidos para outra unidade e o setor não irá mais receber novos pacientes. Segundo o superintendente da Santa Casa de Rondonópolis, Éder Lúcio de Souza, sem os repasses do governo, não é possível manter uma equipe de terapia intensiva pediátrica no hospital.

“Não dá para fazer mágica. O profissional trabalha e precisa receber. Há 14 meses que o serviço está aberto. Hoje nós temos a assistência, mas o serviço será fechado e a gente não sabe o que vai acontecer com aqueles que, por ventura, venham necessitar dos nossos serviços”, afirmou.

Segundo a direção da Santa Casa, são necessários entre 8 e 10 médicos para manter a unidade funcionando, que trabalham em escala de dois para cada turno de 24 horas. Porém, com o atraso no pagamento, os profissionais pediram a rescisão do contrato e agora, apenas dois continuam trabalhando, conforme o diretor clínico e representante dos médicos, Luciano Oliveira.

“Eles deram o aviso à administração, vão cumprir o contrato deles e vão encerrar. E sem esses profissionais, não tem como a UTI funcionar”, afirmou.

Para que a UTI pediátrica saísse do papel, foram investidos quase R$ 4 milhões em estrutura física e equipamentos, dinheiro que foi bloqueado da conta do governo do estado após ação ingressada pela Ministério Público Estadual (MPE)

A UTI foi inaugurada há pouco mais de um ano e, de acordo com Luciano Oliveira, se a situação não for normalizada, esse pode ser apenas o primeiro setor da Santa Casa a ser fechado.

(…)

Veja o vídeo da reportagem:

Pesquisa VOX: Lula tem 42% e ganha no 1º turno

Pesquisa CUT/Vox Populi divulgada nesta sexta-feira, 17, mostram que o ex-presidente Lula segue na líder na preferência do eleitor brasileiro para voltar à Presidência, com 42% de intenções de voto; Jair Bolsonaro (PSC) aparece em segundo, com 16%, seguido de Marina Silva (Rede) com 7%, Geraldo Alckmin (PSDB), com 5%, Ciro Gomes (PDT) com 4% e Álvaro Dias (Podemos) e Luciana Genro (PSOL) com 1%; levantamento mostrou também que Lula é o que tem a menor rejeição, com 39%; tucanos Geraldo Alckmin e João Doria são os mais rejeitados, com 72% da população declarando que não votariam neles de de modo algum; no segundo turno, Lula vence todas as simulações, contra Bolsonaro e Marina; consolidado na preferência dos brasileiros, Lula é alvo de uma perseguição da Justiça, que corre para julgar o recurso contra sua condenação e inabilitá-lo da disputa

247 – Levantamento realizado pelo instituto Vox Populi a pedido da Central Única dos Trabalhadores (CUT) mostra que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ultrapassou os 40% de preferência dos eleitores brasileiros para retornar à Presidência da República.

Segundo os dados, divulgados pela revista Carta Capital, Lula tem 42% de intenções. O deputado Jair Bolsonaro (PSC) aparece em segundo, com 16%. A ex-ministra Marina Silva (Rede) aparece com 7%, seguida de Geraldo Alckmin (PSDB), com 5%, Ciro Gomes (PDT) com 4% e Álvaro Dias (Podemos) e Luciana Genro (PSOL) com 1%. O apresentado Luciano Huck não chega a 2%.

Os dados foram divulgados pela revista Carta Capital, que circula neste fim de semana. A pesquisa CUT/Vox Populi foi feita com 2 mil brasileiros, em 118 municípios, entre 27 e 30 de outubro. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

Lula tem menor rejeição. Tucanos lideram

A pesquisa revela ainda que Lula tem atualmente a menor taxa de rejeição entre os nomes testados. São 39% aqueles que não votariam no ex-presidente. A repulsa a Bolsonaro chega a 60%. Os tucanos João Doria e Geraldo Alckmin têm os piores índices, com 72% de rejeição.

O Sudeste é a região que mais rejeita Lula: 51% dos entrevistados se recusariam a votar nele se as eleições fossem hoje. No Nordeste, o percentual é de apenas 20%.

Lula vence todos no segundo turno

Lula venceria no segundo turno todos os adversários testados na pesquisa. Os oponentes mais competitivos neste momento seriam:

 

Evangélicos doam R$ 11 mil para reforma de terreiro alvo de atentados

Iniciativa liderada por pastora luterana teve início depois que barracão foi incendiado em Duque de Caxias

VIA: IG

Rio – Depois de oito atentados, o terreiro de candomblé Kwe Cejá Gbé de Nação Djeje Mahin, da mãe de santo Conceição d`Lissá, em Duque de Caxias, será reformado com uma doação de R$ 11 mil da Igreja Luterana. “O valor financeiro não é o mais importante, mas sim o gesto de união. Não é uma igreja reformando outra igreja. Mas uma igreja contribuindo para reformar um templo religioso que parte do segmento evangélico persegue como se fosse demônio. É a prova do amor ao próximo e do respeito à diferença”, comemora o babalawo Ivanir dos Santos, interlocutor da Comissão de Combate à intolerância Religiosa (CCIR).

Um café da manhã com representantes das duas religiões acontecerá no dia 22 de novembro, às 10h, no próprio terreiro (Rua G, lote 9, quadra H. Jardim Vale do Sol, Taquara – Duque de Caxias). “É um encontro para o mundo todo celebrar e seguir”, comemora Santos.

A mãe de santo Conceição d’LissáDivulgação

Em 2014, o terreiro tinha sido mais uma vez destruído e a pastora luterana Lusmarina Campos Garcia, então presidente do Conselho de Igrejas Cristãs do Estado do Rio de Janeiro (CONIC-Rio), teve a ideia de reformar o espaço e foi iniciada uma campanha. Depois de um hiato, a iniciativa foi retomada e ganhou ainda novos aportes. “Eu acho que o pessoal do bem deveria copiar esse exemplo. Nem todos evangélicos destilam ódio e eles estão mostrando isso em suas ações”, afirma o interlocutor.

O babalawo reforça que não se pode generalizar, mas que a destilação de ódio, racismo e preconceito são atitudes reprováveis e deploráveis. Segundo ele, o poder público poderia ser mais atuante. “Infelizmente, o poder público não faz nada. As casas estão destruídas e as investigações não chegam ao final. Não vira inquérito, os culpados não são denunciados e não vão à justiça. Isso precisa mudar. Temos que combater o ódio, o preconceito e o racismo religioso com respeito, igualdade e amor”, defende.

Ataque em junho de 2014

Em 26 de junho, o terreiro foi incendiado durante a madrugada. O fogo atingiu o segundo andar da casa e destruiu teto, móveis, eletrodomésticos, roupas de santos e de integrantes do terreiro.

Não é a primeira vez que Maria da Conceição Cotta Baptista – Conceição d’Lissá – é vítima de ataques. “Já atearam fogo no meu carro, que na época estava quebrado e parado dentro do barracão. E dispararam tiros contra a minha casa e no portão do barracão. Deram nove tiros.” Equilibrada, ela evita apontar suspeitos. Cabe à polícia, afirma, descobrir quem cometeu o incêndio e os outros ataques.

Na época, o presidente do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas, o babalaô Ivanir dos Santos, chamou atenção para o fato de as agressões serem persistentes. “Não é a primeira vez. Se as medidas tivessem sido tomadas anos atrás, pode ser que tivessem cessado. A polícia tem de ser mais rigorosa”.

Juiz barra lei de Escola Sem Partido em Jundiaí

Ao conceder liminar, magistrado do Tribunal de Justiça de São Paulo afirmou que a ‘norma’ pode ‘arretar prejuízos, com eventuais lesões de difícil reparação aos munícipes’

VIA: ESTADÃO

O juiz do órgão especial do Tribunal de Justiça de São Paulo Moacir Peres concedeu liminar que suspendeu os efeitos da lei que institui o Escola Sem Partido em Jundiaí, no interior do Estado. O magistrado acolheu pedido do Sindicato dos Servidores Públicos do Município.

O programa do Movimento Escola Sem Partido foi redigido pelo procurador paulista Miguel Nagib, em 2004 e tem como foco o combate ao que o autor chama de “a doutrinação política e ideológica em sala de aula e nos livros didáticos”. As ideias têm sido adotadas para projetos de lei em âmbito municipal e estadual desde então e enfrentam resistência de educadores e entidades ligadas ao ensino.

O projeto foi aprovado na cidade de Jundiaí no dia 25 de outubro, pela Câmara Municipal.

Ao pedir a suspensão do projeto, a entidade afirmou que a lei, ao vedar qualquer abordagem de temas ligados à sexualidade, pretende omitir a discussão de fundo, que se relaciona com os preconceitos sofridos pelas mulheres e a comunidade LGBT’.

A entidade ainda comentou ‘sobre a violência resultante de discriminação de gênero no Brasil’ e alegou que ‘a
norma impugnada interfere de forma indevida no processo educativo’. Os advogados do Sindicato lembraram ainda sobre a competência exclusiva da União para legislar sobre ‘Diretrizes e Bases da Educação’.

“Por entender relevantes os fundamentos do pedido cautelar (fumus boni iuris) e considerando a possibilidade de a norma em questão acarretar prejuízos, com eventuais lesões de difícil reparação aos munícipes (periculum in mora), concedo a liminar, com efeito ex nunc, para suspender a eficácia da Emenda à Lei Orgânica do Município de Jundiaí nº 73, de 26 de setembro de 2017”, anotou o magistrado, ao conceder a liminar.

PAÍS TEM 26,8 MILHÕES DE TRABALHADORES SUBUTILIZADOS NO 3º TRIMESTRE

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira, 17, mostram que 26,8 milhões de trabalhadores não tinham emprego, trabalhavam menos horas do que gostariam ou faziam parte da força de trabalho potencial no terceiro trimestre deste ano; de julho a setembro, a subutilização da força de trabalho do Brasil atingiu 23,9%; número de trabalhadores em sub-emprego aumentou tanto em relação ao trimestre anterior (26,3 milhões), quando a taxa atingiu 23,8%, como em relação ao terceiro trimestre de 2016 (22,9 milhões), quando chegou a 21,2%

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira, 17, que 26,8 milhões de trabalhadores não tinham emprego, trabalhavam menos horas do que gostariam ou faziam parte da força de trabalho potencial no terceiro trimestre deste ano.

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mostram que, de julho a setembro, a subutilização da força de trabalho do Brasil atingiu 23,9%.

Segundo o IBGE, o número de trabalhadores em sub-emprego aumentou tanto em relação ao trimestre anterior (26,3 milhões), quando a taxa atingiu 23,8%, como em relação ao terceiro trimestre de 2016 (22,9 milhões), quando chegou a 21,2%.

De julho a setembro deste ano, as maiores taxas de subutilização de trabalhadores partiram da Bahia (40,1%), do Piauí (38,5%), e do Maranhão (37%) e as menores, de Santa Catarina (10,9%), Mato Grosso (14,8%) e Rondônia (15,5%).

Via: Brasil 247

Temer vai comprar votos pela Reforma da Previdência com cargos

Continua a compra de votos, agora pela Reforma da Previdência, que irá afetar duramente os aposentados e pensionistas do país, entende-se por compra de votos, a troca de cargos e benefícios em troca de ou salvar Temer ou aprovar um projeto que é de seu interesse para manter-se no poder (com apoio do mercado).

BRASÍLIA (Reuters) – Diante da reação negativa da base aliada a uma ampla troca na Esplanada dos Ministérios neste momento, o presidente Michel Temer decidiu fazer uma reforma ministerial “pontual” nos próximos dias a fim de tentar garantir os 308 votos da base aliada para aprovar uma versão enxuta das mudanças na Previdência, disseram à Reuters duas fontes palacianas.

A intenção no Palácio do Planalto é que as alterações nas pastas –que podem chegar também a postos do segundo escalão– reforcem o apoio dos partidos aliados na Câmara em favor da proposta previdenciária. O xadrez no governo é para não desarrumar a base aliada e ao mesmo tempo garantir novos apoios com as mudanças.

Uma grande reforma ministerial só seria feita no início de abril, quando perto de 20 ministros pré-candidatos terão obrigatoriamente de sair dos postos para poderem concorrer nas eleições de outubro de 2018.

Ainda não está definido, segundo uma das fontes, se as trocas vão ocorrer antes da votação do primeiro turno do novo texto da reforma, somente depois ou até mesmo parte antes e outra após a apreciação da matéria.

Na reforma pontual, o governo deverá promover as principais mudanças no espólio do PSDB, maior aliado de Temer no Congresso cujo desembarque da Esplanada é tido como certa no Planalto na convenção do partido marcada para 9 de dezembro.

Numa costura com a base aliada, o governo deve divulgar a nova versão do texto na próxima semana, afirmou nesta quinta-feira um dos vice-líderes do governo na Câmara, Darcísio Perondi (PMDB-RS). A proposta –desidratada em relação ao texto aprovado pela Comissão Especial da Câmara– deverá contemplar a adoção da idade mínima e a equiparação dos benefícios pagos a servidores públicos aos funcionários da iniciativa privada.

Também na próxima semana, ao mesmo tempo em que discutirá o novo texto e a reforma ministerial “pontual”, o governo vai começar a fazer a chamada “planilha” de votos para tentar alcançar uma margem de segurança de apoios. Como se trata de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) são necessários os votos de pelo menos 308 dos 513 deputados.

O governo vai trabalhar para votar a nova versão da PEC da Previdência no plenário da Câmara na primeira semana de dezembro.

FIDELIDADE

Um dos partidos mais fiéis a Temer na votação das duas denúncias, o PP espera ser recompensado e pressiona para emplacar o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, no Ministério das Cidades após a saída do tucano Bruno Araújo da pasta.

Mas essa movimentação não é tida como certa no Planalto, uma vez que há o receio de a legenda ganhar muita força –atualmente, já tem a presidência da Caixa e ainda comanda os ministérios da Agricultura e da Saúde, duas pastas com grande orçamento e capilaridade.

Por outro lado, o PMDB trabalha para recuperar a Secretaria de Governo, nas mãos de Antonio Imbassahy, do PSDB. Sem respaldo da bancada e criticado por deputados pela falta de interlocução, o tucano é bem quisto por Temer –participou de duas agendas públicas com ele nos últimos dias–, mas deverá deixar o cargo agora, assim como o colega de partido e ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira.

O nome do presidente do Conselho Nacional do Sesi, o peemedebista João Henrique de Almeida Sousa, é um dos principais cotados para assumir a Secretaria de Governo, segundo uma fonte. Peemedebista, ele foi deputado federal e ministro dos Transportes e tem trânsito com a bancada do partido na Câmara.

Contudo, João Henrique poderia não ocupar a pasta agora se tiver pretensões eleitorais no próximo ano –interlocutores de Temer devem sondá-los nos próximos dias sobre uma eventual candidatura a cargo eletivo.

O governo espera que, mesmo com a saída do PSDB do governo, o partido vote a favor da nova versão da reforma da Previdência. O argumento principal é que o partido sempre defendeu a agenda de reformas de Temer e não será agora que mudará de discurso.

Desde a semana passada, o presidente tem feito uma rodada de conversas com presidentes e líderes de partidos, além de ministros, para traçar um quadro dos apoios à reforma da Previdência. Nos últimos dias, as conversas passaram a tratar também da reforma ministerial “pontual” agora e da segunda etapa, mais abrangente, até abril.

A tendência é manter os titulares da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab (PSD), e Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira (PRB), ambos alvos de investigação.

O PR quer continuar na pasta dos Transportes, com Maurício Quintella, mas também reivindica conquistar a Secretaria dos Portos, cargo hoje na alçada do Ministério da Integração Nacional e ocupado por um apadrinhado do titular Helder Barbalho (PMDB).

Sem dar detalhes, Darcísio Perondi contabilizou que a reforma deve atingir “dois ou três” ministérios.

“A reforma ministerial parcial faz parte do objetivo estratégico e decisivo para termos os votos para essa nova reforma da Previdência”, afirmou Perondi.

Leia também: jurista rico acha que negro, indio e gay tem muitos privilégios

Uma das fontes palacianas foi na mesma linha. “O objetivo é obter votos, garantir que tenhamos votos para aprovar a reforma da Previdência”, disse a fonte.

“Não vai ser uma reforma ampla e geral e que seja feita em cima do laço”, completou outra fonte.

Fonte: Reuters

Moradora de rua é assassinada por estudante de medicina e lutador de MMA

“Tudo indica que este é mais um crime de ódio, um ataque intolerável aos mais empobrecidos”. Estudante de medicina e lutador de MMA assassinam moradora de rua enquanto ela dormia

Após quase um mês de investigações, a Polícia Civil do Rio de Janeiro acredita que elucidou o assassinato da moradora de rua Fernanda Rodrigues dos Santos, de 40 anos. Ela foi assassinada com um tiro no peito enquanto dormia sob uma marquise na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, na zona sul da capital fluminense.

Nesta terça-feira (14), policiais da Delegacia de Homicídios da capital prenderam o estudante de Medicina Rodrigo Gomes Rodrigues, de 28 anos, e o lutador profissional de MMA Cláudio José Santos, de 42. Os dois são acusados pelo homicídio.

Os agentes descobriram também uma quantidade significativa de drogas na casa de Cláudio José, em Copacabana, incluindo 142 gramas de cocaína, 96 gramas de crack, dez gramas de maconha e uma balança de precisão. Ele também será indiciado por tráfico de drogas.

Rodrigo Gomes está cursando o 10º semestre de Medicina.

De acordo com a polícia, Fernanda Rodrigues era “uma pessoa carismática e muito adorada” em Copacabana. Vivia há quatro anos na localidade, sempre dormindo por ali. E costumava passear pelas ruas carregando várias sacolas com seus objetos pessoais.

O presidente da comissão de população em situação de rua da Câmara Municipal do Rio, vereador Reimont Luiz (PT), afirmou que justiça começa a ser feita com a prisão dos suspeitos.

Tudo indica que este é mais um crime de ódio, um ataque intolerável aos mais empobrecidos”, lamentou em post no Facebook. “Que a punição rápida e justa dos assassinos sirva de exemplo para coibir a intolerância, para que a morte da Fernanda tenha algum significado de mudança em nossa sociedade.”

A motivação do crime não foi divulgada pela polícia. A defesa dos suspeitos ainda não se manifestou.

No próximo sábado (18), haverá um ato em memória à Fernanda na Praça do Lido, próximo ao local onde ela viveu nos últimos anos.

Diego Iraheta, HuffPost