Empresa do ‘granulado nutricional’ anunciado por Doria não tem fábrica

VIA: CBN

O produto chamado pelo prefeito de SP de ‘abençoado’ e que seria capaz de suprir necessidade de pessoas desnutridas não tem capacidade de ser produzido em escala. A plataforma Sinergia, empresa criadora da ‘farinata’, opera hoje com a ajuda de indústrias licenciadas. Eles apenas fabricaram amostras do produto que foram distribuídas para algumas creches.

  • DURAÇÃO: 00:04:38
João Doria anuncia o Programa Alimento para Todos (Crédito: Reprodução)

João Doria anuncia o Programa Alimento para Todos

Crédito: Reprodução

Por Pedro Durán

A empresa responsável por produzir o produto chamado pelo prefeito João Doria de “abençoado” e que seria capaz de suprir necessidade de pessoas desnutridas não tem fábrica em atividade e nem capacidade de produzir em escala.

A plataforma Sinergia, empresa criadora da “farinata”, opera hoje com a ajuda de indústrias licenciadas, mas nunca produziu em escala, apenas amostras do produto que foram distribuídas para algumas creches.

Em entrevista à CBN, a dona da empresa, Rosana Perrotti, disse, no entanto, que não pode revelar o nome das indústrias parceiras por acordos de confidencialidade.

“Nossa fábrica foi inuaugurada em 2013 mas nós não tínhamos volume suficiente pra processar porque são tecnologias que são aplicadas na indústria de alimentos e farmacêutica e que demandam volumes. Então agora nós vamos fazer um estudo de qual é o volume e nós vamos adequar essas máquinas para esses volumes”, diz Rosana.

Rosana diz ainda que muito provavelmente o produto nem será distribuído em São Paulo, até porque pra isso é necessário um estudo de análise da população desnutrida, que seria alvo do programa “Alimento para Todos”.

A secretária municipal de Direitos Humanos, Eloísa Arruda, reconhece que como a lei que cria o programa acabou de ser criada, não dá pra prever quando a distribuição da farinata começaria.

“O plano de atuação para que a lei seja colocada em prática está só começando. A lei foi aprovada há um mês então nós ainda não temos esse número. Então esses números precisam ser apurados, as populações identificadas para que nós façamos a complementação nutricional para determinada população”, diz a secretaria de Doria.

Muito embora a secretária reconheça que a distribuição só seria feita pra grupos muito específicos da população paulistana, ela fala em levar o produto para países da África e para Síria.

Feita a partir de restos de alimento perto de vencer como feijão, arroz, batata e tomate, a farinata não tem uma tabela nutricional única, suas propriedades nutritivas dependem da base de processamento. Ela ainda pode ser consumida no formato original ou servir de base para pães, bolos, sopas e shakes.

O doutor em sociologia com oito livros publicados na área de alimentação, Carlos Alberto Doria, diz que a ideia da prefeitura é um absurdo.

“A invenção de uma comida genérica, paletizada, ela ocupa que função? A função de alimentar um animal! Quando o grande problema dos pobres, da população carente, é a falta de cidadania, de inserção. Então você vai alimentar alguém que foi posto à margem da sociedade com alimentos que também foram descartados e estão à margem da sociedade, que é o lixo. Então essa coisa que eu acho do ponto de vista humanitário gritante, um absurdo”, diz ele.

A adoção da farinata pela gestão Doria vem sendo criticada por diversos órgãos. O Conselho de Segurança Alimentar da Presidência da República pediu à Prefeitura informações técnicas do produto.

Chefs de cozinha de renome como Rita Lobo e Paola Carosella também criticaram a ideia nas redes sociais.

O Conselho Regional de Nutricionistas de São Paulo, também se manifestou contrário à distribuição do produto que pode ter forma de farinha ou se assemelhar a biscoitos de povilho.

A vice-presidente do conselho, Denise Hernandez, diz que a ideia da prefeitura vai contra as diretrizes nacionais do Ministério da Saúde e do Ministério do Desenvolvimento Social, que incentivam o consumo da chamada “comida de verdade”.
“Nós entendemos que o ser humano tem direito ao alimento de verdade, primordialmente o alimento in natura. O brasileiro ele tem, sim, que comer o arroz com feijão, uma alimentação rica em frutas, verduras e legumes. E há muitas políticas na cidade de São Paulo que já fazem isso. Tem sim que incentivar a distribuição de alimentos com um custo menor e promover um fácil acesso aos alimentos in natura para a população brasileira. Isso sim que tem que ser feito”, diz.

 

A dona da Sinergia, Rosana Perrotti, disse ainda que não foi atrás de nenhum conselho nutricional para discutir a produção e distribuição da farinata, mas que tem amigos nesses conselhos e que a criação da farinata foi resultado de um processo que envolveu médicos, nutricionistas e engenheiros de alimentos. No entanto, ela não nomeou nenhum deles.

Anúncios

MPF denuncia dono da Riachuelo por crimes contra a honra de procuradora trabalhista

VIA: UOL

o-empresario-flavio-rocha-dono-da-riachuelo-chamou-a-procuradora-ileana-neiva-mousinho-de-louca-perseguidora-e-exterminadora-de-empregos-1507933981788_615x300
A procuradora do trabalho Ileana Neiva Mousinho e Flávio Rocha, dono da Riachuelo

O empresário Flávio Rocha, dono das lojas Riachuelo, foi denunciado na terça-feira (11) pelo MPF/RN (Ministério Público Federal do Rio Grande do Norte) por coação no curso do processo, calúnia e injúria contra a procuradora regional do Trabalho Ileana Neiva Mousinho.

De acordo com a denúncia, Rocha utilizou as redes sociais para acusar a procuradora de perseguição contra a Guararapes, controladora da Riachuelo e da qual é vice-presidente, além de ter se referido a ela como “louca”, “perseguidora” e “exterminadora de empregos”.

A Riachuelo afirmou que não iria comentar a denúncia, pois Flávio Rocha ainda não foi notificado pelo MPF.

As ofensas à procuradora, publicadas em páginas do empresário em redes sociais, se deram após Ileana e outros nove procuradores do trabalho terem ajuizado uma ação civil pública, no dia 19 de maio, contra a empresa Guararapes Confecções S/A.

O MPT (Ministério Público do Trabalho), na ação, responsabiliza a companhia por irregularidades em confecções que prestam serviços terceirizados ao grupo varejista e pede uma indenização coletiva de R$ 37,7 milhões.

A ação foi feita após o órgão ter feito inspeção em mais de 50 confecções em 12 municípios, onde foi constatado que os empregados terceirizados destas oficinas de costura recebem remuneração mais baixa e possuem menos direitos trabalhistas que os empregados contratados diretamente pela Guararapes Confecções.

Acusações à procuradora

No dia 17 de setembro, o empresário publicou em seu perfil do Facebook uma carta dirigida à procuradora Ileana Neiva acusando-a de ser autora de uma perseguição sistemática à empresa por meio de denúncias infundadas à Delegacia do Trabalho.

O empresário também sugeriu que a procuradora estivesse intencionalmente prejudicando a empresa, já que ela não havia feito “exigências absurdas que não faz a nenhum dos nossos concorrentes”.

Em outras postagens, Rocha chamou-a de “louca”, “perseguidora” e “exterminadora de empregos”, chegando a sugerir o afastamento da procuradora. “A proposta é simples. Tirem a doutora Ilena Mousinho de nossa vida e nós vamos transformar o Rio Grande do Norte”, afirmou.

Campanhas e manifestações

Além dos ataques à procuradora, Rocha também lançou, em redes sociais, as campanhas “#mexeuComPainhoMexeuComNósTudinho”, em referência a Nevaldo Rocha, fundador da Guararapes e pai de Flávio Rocha, e “#ExterminadoraDeEmprego”, em referência à procuradora Ileana Neiva.

O empresário também liderou uma manifestação, com cerca de 5.000 funcionários do grupo Guararapes, em frente à sede do Ministério Público do Trabalho, em Natal, no dia 21 de setembro. Por conta do protesto, o expediente da Procuradoria teve que ser reduzido, por questões de segurança. Na ocasião, o empresário postou frases como “o nosso povo está animado…” e “entendeu o recado, doutora?”.

Ação “em defesa dos direitos coletivos dos trabalhadores”

De acordo com o MPF, a ação civil movida contra a Guararapes Confecções se dá “em defesa dos direitos coletivos dos trabalhadores, sempre instrumentalizada por meios de provas, submetendo suas imputações ao diálogo e à possibilidade de ser firmado compromisso de ajustamento de conduta entre as partes (MPT e empregador) –dentro dos parâmetros legais– ou ao amplo contraditório, no âmbito da Justiça do Trabalho”.

O MPF ainda afirma que “não é contrário a qualquer forma de manifestação de liberdade de expressão”, mas ressalta que o empresário “teria transbordado os limites constitucionais, atingindo deliberadamente a honra de servidora pública no exercício da função”.

“Mais uma vez, Flávio Gurgel Rocha atribuiu à procuradora regional do Trabalho ser autora de comportamento típico de natureza penal, consistindo além de crimes de abuso de autoridade, previstos expressamente na Lei nº 4898/1965, no crime de prevaricação, previsto no art. 319 do Código Pena”, destaca a denúncia. O crime de prevaricação consiste em deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra a disposição expressa em lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal.

Outro lado

Antes da denúncia do MPF, no dia 20 de setembro, o empresário afirmou, por meio do Facebook, que “ao defender os interesses da Guararapes Confecção”, não teve a intenção de “atingir a honra da procuradora Ileana Mousinho” e que foi “enfático” nas críticas a ela porque o emprego de milhares de pessoas “estava em jogo”.

Rocha disse, também, na ocasião, que não incitava a violência e que reafirmava sua posição a favor de “práticas trabalhistas mais modernas”, como as aprovadas recentemente pelo Congresso Nacional, que entrarão em vigor em novembro.

Procurada pela reportagem do UOL, a assessoria de imprensa da Riachuelo disse que Flávio Rocha ainda não foi notificado sobre a denúncia do MPF e que não irá comentar o assunto.

Pobre longe dos Aeroportos: Após cobrança por bagagens, preços das passagens aéreas sobem no país

VIA: UOL

Ao contrário do que se esperava quando a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) permitiu que as companhias aéreas passassem a vender passagens que não dão direito a despachar bagagem, o preço das tarifas tem subido desde que as empresas começaram a adotar a prática. Entre junho e setembro, essa alta chegou a 35,9%, segundo dados da FGV. De acordo com levantamento do IBGE, entretanto, a elevação foi mais moderada, de 16,9%.

O preço das passagens aéreas está no centro de uma discussão entre o governo federal e as companhias do setor. No fim de setembro, o Ministério da Justiça instaurou averiguação sobre um estudo da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) que apontou tendência de queda no preço das passagens nos últimos meses.

Segundo o levantamento da entidade feito com base em dados preliminares, entre junho e o início de setembro, as tarifas recuaram de 7% a 30% nas rotas domésticas das companhias que adotaram a cobrança da mala despachada (Azul, Gol e Latam).

Os números da FGV e do IBGE, porém, mostram queda apenas em agosto, de 2,07% e 15,16%, respectivamente. A divergência de 13 pontos porcentuais entre os índices de agosto revela a complexidade que as entidades enfrentam para calcular o preço médio das passagens e as diferentes metodologias adotadas por cada uma – é também sobre a metodologia adotada que o Ministério da Justiça questionou a Abear.

De acordo com Fernando Gonçalves, gerente na Coordenação de Índices de Preços do IBGE, os preços de passagem aérea e telefonia estão entre os mais complicados de se analisar, pois variam muito. “São dados muito detalhados, que requerem cuidado na hora da coleta.”

A divergência no acumulado de junho a setembro dos índices de passagem aérea da FGV e do IBGE chega a 19 pontos porcentuais, enquanto, no mesmo período, os índices de preço geral das entidades se diferem em 0,54 ponto porcentual.

Só lazer

Tanto os dados coletados pelo IBGE como os pela FGV são de passagens destinadas ao turismo de lazer, cujas tarifas costumam ser mais baratas, já que a compra é realizada com antecedência. Passagens corporativas, adquiridas próximo da data da viagem, acabam não sendo consideradas pelos índices das entidades.

A FGV faz sua coleta de dados considerando o preço das passagens para uma viagem que ocorreria dentro de 30 dias, enquanto o IBGE utiliza o prazo de 60 dias.

Outra divergência importante entre as metodologias da FGV e do IBGE diz respeito à inclusão da bagagem nas tarifas analisadas. Enquanto a primeira optou por considerar tanto o preço da passagem com ou sem mala, a segunda considera sempre a inclusão da bagagem, mesmo no caso das tarifas mais baratas – nesses casos, o preço da mala é acrescido no final.

Rotas

As diferenças ocorrem ainda nas rotas dos voos cujos preços são analisados. A FGV coleta dados em sete pontos de partida e considera os destinos mais procurados pelos turistas brasileiros de acordo com uma pesquisa da Embratur. O IBGE, por sua vez, pesquisa 13 cidades como ponto de saída e os destinos foram definidos por um levantamento feito pelo próprio instituto entre 2008 e 2009 com famílias entrevistadas.

“É por causa dessa seleção de cidades que acontece de, às vezes, uma pessoa não se identificar com a variação (dos preços). Ela possivelmente mora em uma região que a pesquisa não alcança”, diz o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor da FGV, André Braz.

Discussão

A regra da Anac que permitiu a cobrança por bagagem atendeu a uma demanda antiga do setor aéreo, que defendia o fim da franquia da mala gratuita com o argumento de aproximar as normas brasileiras aos padrões internacionais. Hoje, apenas Venezuela, Rússia e México exigem que as companhias aéreas transportem pelo menos uma bagagem sem cobrar, segundo a própria Anac.

Antes de entrar em vigor, a medida foi questionada pelo Ministério Público Federal em São Paulo, que afirmou que o setor era pouco competitivo no País, “sem grande disputa por tarifas mais baixas”.

Procurada, a Abear informou que seu levantamento foi feito levando em conta as tarifas mais econômicas ofertadas entre junho e o início de setembro deste ano e de 2016. A entidade destacou que os dados foram apurados após as divulgações de pesquisa da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que mostrou queda de 2,56% no primeiro semestre deste ano e do IPCA-15 de setembro, do IBGE, que registrou recuo de 12,99% no acumulado do ano.

“Importante ressaltar, ainda, que as informações foram obtidas por meio das companhias em um período de custos estáveis durante o ano”, informou em nota. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Polícia suspende depoimento do filho de Lula sobre operação em sua casa

VIA: FOLHA

A Polícia Civil suspendeu, por tempo indeterminado, o depoimento de Marcos Lula, que foi intimado a ir a uma delegacia para falar sobre a operação de busca e apreensão feita na casa dele na terça (10).

OUTRA COISA
A Justiça também devolveu ao filho de Lula todos os aparelhos apreendidos na ocasião -como notebooks, CDs, DVDs e disquetes.

SEGUNDA ORDEM
A polícia diz que deflagrou a operação, alegando busca de drogas e armas, depois de receber uma denúncia anônima por telefone. Nada foi encontrado. O delegado responsável foi afastado do caso pela Secretaria de Segurança.

FMI comprova que o Governo Temer criou a maior dívida fiscal entre 40 países

O relatório elaborado pela organização, chamado de “Monitor Fiscal”, considera 40 países emergentes, aponta reportagem do Globo publicada nesta quinta-feira 12.

Neste ano, o indicador deverá subir de 78,3% para 91,1%, já fazendo com que pulemos para o posto de terceiro emergente mais endividado, diz ainda o documento.

O ministro da Fazenda do governo Temer, Henrique Meirelles, minimizou, no entanto, as previsões do FMI. Segundo ele, “o importante, no caso do Brasil, é análise da dívida líquida”.

O histórico mostra que a dívida brasileira caiu com o governo Lula, se manteve estável com Dilma Rousseff e disparou com o golpe.

Com Brasil 247

Gás de cozinha ficará 12,9% mais caro

O Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp) da Petrobras decidiu elevar em 12,9%, em média, os preços do gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso residencial vendido em botijões de até 13 kg, a partir desta quarta-feira, segundo comunicado.

O percentual de reajuste foi calculado de acordo com a política de preços divulgada em junho e reflete, principalmente, “a variação das cotações do produto no mercado internacional”, afirmou a estatal nesta terça-feira.

Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor, destaca a Petrobras. Se for integralmente repassado aos preços ao consumidor, a companhia estima que o preço do botijão de 13 Kg pode ser reajustado, em média, em 5,1% ou cerca de R$ 3,09 por botijão, isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos.

No final de setembro, a Petrobras havia anunciado aumento de 6,9% no preço do gás residencial, citando os impactos da tempestade Harvey na principal região exportadora do produto, além de uma situação da baixa oferta.

Via Extra

Frota abre Processo no MPF contra Fernando Holiday por Formação de Quadrilha e Estelionato

Alexandre Frota prometeu e pelo que tudo parece, ele entrou com uma ação contra Fernando Holiday no MPF, por Formação de Quadrilha, Associação Criminosa, Evasão de Divisa e Estelionato.

Para abrir tal ação, deve realmente estar munido de provas contra Fernando Holiday, como se diz, só o tempo vai mostrar quem está certo nesta briga.

 

22310185_1674411819266943_5485614654974209307_n.jpg
Publicação no Twitter de Alexandre Frota

 

MODELO DIZ QUE NÃO PARTICIPARIA DE PROPAGANDA SE SOUBESSE DE CONTEÚDO RACISTA

Modelo Lola Ogunyemi, que aparece em uma propaganda da Dove que foi retirada de circulação após acusações de racismo, disse que jamais aceitaria o trabalho se soubesse que seria representada como inferior; “Se eu tivesse a mínima noção de que eu seria retratada como inferior, ou como o ‘antes’ de uma edição com antes e depois, eu teria sido a primeira a dizer um enfático ‘não”, disse em artigo publicado pelo jornal britânico The Guardian; “Isso vai contra tudo o que eu acredito”, completou

A modelo negra Lola Ogunyemi, que aparece em uma propaganda da Dove que foi retirada de circulação após acusações de racismo, disse que jamais aceitaria o trabalho se soubesse que seria representada como inferior.

Em um artigo publicado pelo jornal britânico The Guardian, Lola disse que “se eu tivesse a mínima noção de que eu seria retratada como inferior, ou como o ‘antes’ de uma edição com antes e depois, eu teria sido a primeira a dizer um enfático ‘não”. “Isso vai contra tudo o que eu acredito”, completou a modelo.

Na propaganda retirada de circulação, o vídeo mostra uma mulher negra tirando a camiseta para dar lugar a uma mulher branca, que também retira sua camiseta para dar lugar a uma terceira mulher.

A Dove reconheceu o erro e pediu desculpas oficiais pelo Twitter e pelo Facebook. “Em uma imagem publicada esta semana, erramos ao representar as mulheres de cor, e lamentamos profundamente os danos causados”, diz o comunicado da empresa.

Via: Brasil 247

Ex-namorada de Bolsonaro tira foto com Lula e pede desculpas por apoiar o golpe

E foi desse jeito que o Lula, o homem que eu mais difamei me recebeu. Sou ansiosa e não consigo esperar pelas fotos oficiais, e para ser sincera esse post não é sobre fotos bonitas, mas sim sobre palavras sinceras e de escritas de coração.

Confesso que quando te vi, senti um frio na barriga. Não sabia como você iria reagir a toda situação. Passou de tudo na minha cabeça. Pensei que você não me receberia bem, ou sequer me receberia. Afinal eu fiz parte dos brasileiros hipócritas que te difamaram.

Mais uma vez, eu estava errada sobre você. Hoje foi a primeira vez que parei para te escutar, que te vi pessoalmente, e ao longo de toda a sua fala fiquei pensando como eu um dia fui contra uma pessoa que ajudou milhões de brasileiros a acessar a educação, que tirou o Brasil do mapa da fome. A hipocrisia cega, e eu fui cega durante anos.

Escutei diversas vezes, de homens machistas que lugar de mulher não é na política, e cheguei a acreditar nisso. E hoje, você, o ex-presidente que mais fez pelo Brasil, olhou nos meus olhos e disse “você é forte”. Acredite, eu jamais vou me esquecer desse momento. Jamais serei capaz de esquecer como você me olhou, como me abraçou e principalmente de como me deu forças para continuar.

Eu olhei nos seus olhos e te pedi desculpas. Porém sinto a necessidade de mais uma vez dizer: Me perdoa. Me perdoa por ter ido às ruas e ter sido a favor de um golpe. Me perdoe por compactuar com um governo que todos os dias retira os poucos direitos que resta do trabalhadores. Me perdoa por fazer o Brasil voltar para o mapa da fome. Me perdoe por colocar a nossa floresta Amazônica em jogo. Me perdoa por ter sido tola.

Eu tenho muita, mas muita certeza de que estou do lado certo. Lula seu ladrão, hoje mais do que nunca você roubou meu coração.

Com muito carinho, Patrícia Lélis.

*Patrícia Lélis é jornalista e ex-militante do PSC

Cubanos prestam homenagem a Che Guevara no 50º aniversário de sua captura e morte

VIA: UOL
Nesta segunda (09/10), completa-se meio século da morte de Che, um dos ícones da Revolução Cubana; ato aconteceu em Santa Clara

“Jovens de todo planeta encontrarão na sua vontade de aço, sua fé na humanidade, sentido da honra e dignidade, audácia e austeridade, a inspiração para construir um mundo melhor”, afirmou o primeiro vice-presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, no discurso do ato de homenagem, realizado hoje na cidade de Santa Clara, frente ao mausoléu que abriga os restos do guerrilheiro.

O presidente cubano e companheiro de luta em Sierra Maestra, Raúl Castro – que não fez nenhum discurso -, acompanhado de altos cargos no país e vestido de uniforme militar, depositou uma rosa branca sobre o mausoléu que abriga os restos do revolucionário argentino há 20 anos.

Esse mausoléu, inaugurado em outubro de 1997, quando chegaram a Cuba os restos mortais de Che 30 anos após sua execução em decorrência de sua capturado pela CIA na Bolívia, se transformou em local de peregrinação de militantes da esquerda de todo o mundo e foi visitado por 4,7 milhões de pessoas.

Canel lembrou de Che “como um ser humano íntegro”, “modelo de homem altruísta” e “excepcional revolucionário” durante o ato em Santa Clara, cidade libertada pela coluna liderada por Ernesto Guevara durante a luta insurgente contra o regime de Fulgêncio Batista em dezembro de 1958.

Essa batalha foi crucial para o triunfo definitivo, em janeiro de 1959, da Revolução liderada por Fidel Castro e à qual Guevara serviu nos seus primeiros anos como diretor do Banco Central e Ministro de Indústria.

Para Canel, o legado de Che se transforma hoje em um “reforço moral” para enfrentar o futuro em “um mundo acumulado de contradições e incertezas” com constantes ameaças à paz e à segurança internacional por parte de “poderosos interesses de dominação e conquista”.

O vice-presidente se referiu aos planos “colonizadores” dos Estados Unidos, que pretendem abrir passagem ao capitalismo e ao imperialismo – principal inimigo de Che em suas lutas por todo o mundo – em Cuba e em seu principal aliado na região, a Venezuela.

“A história nos ensina que quando um projeto revolucionário, social diferente, mais justo e mais humano, entra em andamento, em seguida enfrenta enormes dificuldades, fortes pressões econômicas e diplomáticas, campanhas midiáticas de desprestígio e difamação, inclusive a ameaça de intervenção militar para castigar sua ousadia”, disse.

Neste novo contexto, Canel disse que o “exemplo do ‘Che’ se agiganta e se multiplica” no povo cubano, que defenderá para sempre a sua Revolução”.


Homenagem aconteceu no mausoléu de Che na cidade cubana

Entre os presentes, Elisdari, uma estudante pré-universitária, qualificou Che como uma das personalidades “mais importantes da história de Cuba e também de toda América Latina”, uma figura que “chega ao coração de todo o mundo”.

“Para Santa Clara é muito importante que os seus restos estejam aqui. Como grande internacionalista, foi a outros países para melhorar a vida dos demais após ter combatido no nosso território”, afirmou o atleta aposentado Luis Alberto García sobre as missões revolucionárias de Che no Congo e na Bolívia após o triunfo da Revolução em Cuba.

“Che nos representou nas lutas revolucionárias de todo o povo do mundo. É um exemplo para o internacionalismo, como foi Fidel e todos os grandes heróis da nossa história e os libertadores da América”, destacou Alina Prieto, uma professora de Santa Clara.

As homenagens a Che, guerrilheiro heróico da Revolução, ocorreram em todo o país por causa do 50° aniversário de sua execução com festas culturais, exposições e matérias especiais na imprensa.


Raúl Castro acompanhou a cerimônia