Bolsonaro cancela palestra em universidade americana onde houve abaixo-assinado contra a presença dele

A palestra estava marcada para esta sexta-feira, na Universidade George Washington, na capital do País. Mas, segundo informa a Folha de S. Paulo, foi cancelada pelo deputado Jair Bolsonaro, que visita os Estados Unidos. O organizador do evento, Mark Langevin, disse que ficou decepcionado. “Faz uma semana que eu estava notando uma certa ansiedade da turma (equipe do deputado). Hoje recebi um telefonema do chefe da delegação dizendo que não ia dar”, afirmou. Houve reação negativa da comunidade acadêmica contra a presença de Bolsonaro lá. Há um abaixo-assinado com 900 adesões contrário à presença dele lá. Segundo Langevin, a universidade iria manter a palestra mesmo assim. Só seria cancelada se houvesse ameaça de violência. A equipe de Bolsonaro diz que o deputado preferiu manter os compromissos em Nova York.

Anúncios

FMI comprova que o Governo Temer criou a maior dívida fiscal entre 40 países

O relatório elaborado pela organização, chamado de “Monitor Fiscal”, considera 40 países emergentes, aponta reportagem do Globo publicada nesta quinta-feira 12.

Neste ano, o indicador deverá subir de 78,3% para 91,1%, já fazendo com que pulemos para o posto de terceiro emergente mais endividado, diz ainda o documento.

O ministro da Fazenda do governo Temer, Henrique Meirelles, minimizou, no entanto, as previsões do FMI. Segundo ele, “o importante, no caso do Brasil, é análise da dívida líquida”.

O histórico mostra que a dívida brasileira caiu com o governo Lula, se manteve estável com Dilma Rousseff e disparou com o golpe.

Com Brasil 247

Dep. Marcus Vicente (PP-ES), falta na Câmara para chefiar viagem da seleção brasileira

VIA: ESTADÃO

Vice-presidente da CBF, Marcus Vicente (PP-ES) acompanha partida das Eliminatórias em La Paz e São Paulo

O deputado federal Marcus Vicente (PP-ES) tem faltado aos compromissos da Câmara desde o dia 3 deste mês para “servir” à seleção brasileira. O parlamentar é também vice-presidente da CBF e foi convidado pelo presidente da entidade, Marco Polo Del Nero, para ser o chefe da delegação nos jogos contra Bolívia, em La Paz, e Chile, em São Paulo, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.

Segundo o site da Câmara de Deputados, nesses últimos dias Vicente não tem marcado presença nas sessões no plenário, participado de votações ou frequentado reuniões de comissões da casa sob a alegação de estar em “missão autorizada”. A justificativa faz as ausências não serem passíveis de descontos nos vencimentos.

 

Marcus Vicente é deputado federal e vice-presidente da CBF
Marcus Vicente é deputado federal e vice-presidente da CBF Foto: Wilton Junior/Estadão

A reportagem do Estado viu o deputado na tribuna de convidados do estádio Hernando Siles, em La Paz. Vicente também esteve no Allianz Parque na última terça-feira para acompanhar a vitória sobre o Chile por 3 a 0, pela última rodada das Eliminatórias.

A assessoria de imprensa do deputado explicou que a viagem foi autorizada pela Câmara e que ele continuará a receber o salário integral, sem custo extra de passagens e diárias. Em nota, Vicente afirmou que a “Comissão de Constituição e Justiça da Câmara já deliberou sobre o tema e deixou claro que não há incompatibilidade para exercer a função de vice-presidente da CBF e de deputado federal concomitantemente”.

Em novembro de 2015, Vicente também viajou para acompanhar duas partidas da seleção brasileira pelas Eliminatórias, contra Argentina, em Buenos Aires, e Peru, em Salvador.

Marcus Vicente acompanha partida da seleção em La Paz, na Bolívia
Marcus Vicente acompanha partida da seleção em La Paz, na Bolívia Foto: Ciro Campos/Estadão

 

MODELO DIZ QUE NÃO PARTICIPARIA DE PROPAGANDA SE SOUBESSE DE CONTEÚDO RACISTA

Modelo Lola Ogunyemi, que aparece em uma propaganda da Dove que foi retirada de circulação após acusações de racismo, disse que jamais aceitaria o trabalho se soubesse que seria representada como inferior; “Se eu tivesse a mínima noção de que eu seria retratada como inferior, ou como o ‘antes’ de uma edição com antes e depois, eu teria sido a primeira a dizer um enfático ‘não”, disse em artigo publicado pelo jornal britânico The Guardian; “Isso vai contra tudo o que eu acredito”, completou

A modelo negra Lola Ogunyemi, que aparece em uma propaganda da Dove que foi retirada de circulação após acusações de racismo, disse que jamais aceitaria o trabalho se soubesse que seria representada como inferior.

Em um artigo publicado pelo jornal britânico The Guardian, Lola disse que “se eu tivesse a mínima noção de que eu seria retratada como inferior, ou como o ‘antes’ de uma edição com antes e depois, eu teria sido a primeira a dizer um enfático ‘não”. “Isso vai contra tudo o que eu acredito”, completou a modelo.

Na propaganda retirada de circulação, o vídeo mostra uma mulher negra tirando a camiseta para dar lugar a uma mulher branca, que também retira sua camiseta para dar lugar a uma terceira mulher.

A Dove reconheceu o erro e pediu desculpas oficiais pelo Twitter e pelo Facebook. “Em uma imagem publicada esta semana, erramos ao representar as mulheres de cor, e lamentamos profundamente os danos causados”, diz o comunicado da empresa.

Via: Brasil 247

Cubanos prestam homenagem a Che Guevara no 50º aniversário de sua captura e morte

VIA: UOL
Nesta segunda (09/10), completa-se meio século da morte de Che, um dos ícones da Revolução Cubana; ato aconteceu em Santa Clara

“Jovens de todo planeta encontrarão na sua vontade de aço, sua fé na humanidade, sentido da honra e dignidade, audácia e austeridade, a inspiração para construir um mundo melhor”, afirmou o primeiro vice-presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, no discurso do ato de homenagem, realizado hoje na cidade de Santa Clara, frente ao mausoléu que abriga os restos do guerrilheiro.

O presidente cubano e companheiro de luta em Sierra Maestra, Raúl Castro – que não fez nenhum discurso -, acompanhado de altos cargos no país e vestido de uniforme militar, depositou uma rosa branca sobre o mausoléu que abriga os restos do revolucionário argentino há 20 anos.

Esse mausoléu, inaugurado em outubro de 1997, quando chegaram a Cuba os restos mortais de Che 30 anos após sua execução em decorrência de sua capturado pela CIA na Bolívia, se transformou em local de peregrinação de militantes da esquerda de todo o mundo e foi visitado por 4,7 milhões de pessoas.

Canel lembrou de Che “como um ser humano íntegro”, “modelo de homem altruísta” e “excepcional revolucionário” durante o ato em Santa Clara, cidade libertada pela coluna liderada por Ernesto Guevara durante a luta insurgente contra o regime de Fulgêncio Batista em dezembro de 1958.

Essa batalha foi crucial para o triunfo definitivo, em janeiro de 1959, da Revolução liderada por Fidel Castro e à qual Guevara serviu nos seus primeiros anos como diretor do Banco Central e Ministro de Indústria.

Para Canel, o legado de Che se transforma hoje em um “reforço moral” para enfrentar o futuro em “um mundo acumulado de contradições e incertezas” com constantes ameaças à paz e à segurança internacional por parte de “poderosos interesses de dominação e conquista”.

O vice-presidente se referiu aos planos “colonizadores” dos Estados Unidos, que pretendem abrir passagem ao capitalismo e ao imperialismo – principal inimigo de Che em suas lutas por todo o mundo – em Cuba e em seu principal aliado na região, a Venezuela.

“A história nos ensina que quando um projeto revolucionário, social diferente, mais justo e mais humano, entra em andamento, em seguida enfrenta enormes dificuldades, fortes pressões econômicas e diplomáticas, campanhas midiáticas de desprestígio e difamação, inclusive a ameaça de intervenção militar para castigar sua ousadia”, disse.

Neste novo contexto, Canel disse que o “exemplo do ‘Che’ se agiganta e se multiplica” no povo cubano, que defenderá para sempre a sua Revolução”.


Homenagem aconteceu no mausoléu de Che na cidade cubana

Entre os presentes, Elisdari, uma estudante pré-universitária, qualificou Che como uma das personalidades “mais importantes da história de Cuba e também de toda América Latina”, uma figura que “chega ao coração de todo o mundo”.

“Para Santa Clara é muito importante que os seus restos estejam aqui. Como grande internacionalista, foi a outros países para melhorar a vida dos demais após ter combatido no nosso território”, afirmou o atleta aposentado Luis Alberto García sobre as missões revolucionárias de Che no Congo e na Bolívia após o triunfo da Revolução em Cuba.

“Che nos representou nas lutas revolucionárias de todo o povo do mundo. É um exemplo para o internacionalismo, como foi Fidel e todos os grandes heróis da nossa história e os libertadores da América”, destacou Alina Prieto, uma professora de Santa Clara.

As homenagens a Che, guerrilheiro heróico da Revolução, ocorreram em todo o país por causa do 50° aniversário de sua execução com festas culturais, exposições e matérias especiais na imprensa.


Raúl Castro acompanhou a cerimônia

NO TWITTER, JUNINHO PERNAMBUCANO PEDE QUE ‘BOLSOMINIONS’ DEIXEM DE SEGUI-LO

O ex-jogador e atualmente comentarista esportivo Juninho Pernambucano usou o Twitter para criticar os defensores das ideias de extrema direita do deputado federal e pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSC-RJ). “Não sabia que bolsominions me seguiam. Por favor não me sigam. Não quero quantidade de seguidores e sim qualidade humana e caráter deles!”, disse o jogador em sua conta no Twitter.

“Só pra esclarecer, to tuitando sem sono 33 mil pés. Assumo tudo que disse e peço, vaza bolsominions. Te respeito fora de meu Twitter!Apenas”, completou em seguida em uma resposta a um seguidor que o chamou de “preconceituoso”.

22136899_1754249491254519_6743244210205186728_o.jpg

A reação de Juninho pernambucano vem na esteira de uma outra polêmica acontecida há cerca de uma semana. Na ocasião, também pelo Twitter, o ex-jogador criticou os “Hater brasileiro- jovens adultos, brabinhos na rede, xingam pesado mas moram com papai e mamãe e não pagam uma conta! O mundo os espera!”. “Retrato dos esquerdistas da Zona Sul do Rio”, respondeu um internauta. “Tá em casa com mamãe né”, rebateu Juninho.

Via: Brasil 247

OBRAS CENSURADAS EM PORTO ALEGRE SÃO PROJETADAS EM MUSEUS DE NY

images|cms-image-000562719.jpg

Revista Fórum A pressão do Movimento Brasil Livre (MBL) e de grupos de direita que culminou no fechamento da exposição “Queermuseu” em Porto Alegre (RS), no início do mês, começa a gerar o efeito contrário. Com a polêmica, a mostra que reúne obras tratando da questão de gênero e sexualidade ganhou repercussão mundial e, graças à iniciativa de Cibele Vieira, uma das artistas da exposição, várias das obras censuradas foram parar em Nova Iorque.

No sábado (23), em um evento batizado de NY Loves Queermuseu, dezenas de obras da exposição foram projetadas na fachada do New Museum, do Whitney Museum of American Art e do Bushwick Museum.

Além das obras, foram projetadas mensagens como “Brazil, the world is watching” (em português, “Brasil, o mundo está assistindo”), “ditadura nunca mais” e “Brasil, mostra a tua cara”. Também foram distribuídos às pessoas que passavam pelas ruas panfletos explicando a censura do Santander Cultural.

O efeito reverso da tentativa de censura não para por aí. No final da semana passada o jornal O Globo anunciou que a mostra Queermuseu será exibida no Rio de Janeiro, informação que foi confirmada no final de semana pelo diretor do Museu de Arte do Rio (MAR), Evandro Salles. Ainda não há data prevista para a estreia.

Confira, abaixo, algumas imagens das projeções em Nova Iorque.

Órgão internacional cobra explicações sobre corte de verbas para Lava Jato

VIA: ESTADÃO

OCDE convocou Brasil a se explicar em outubro sobre redução de verbas para força tarefa e se a operação de fato ainda existe

GENEBRA –  A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) cobra uma resposta do governo brasileiro sobre o corte de verbas que atinge a Operação Lava Jato, desde julho deste ano, e o potencial que isso pode ter para o combate à corrupção no Brasil. O País terá de dar uma explicação no dia 17 de outubro, quando a entidade se reúne e convocou o governo para avaliar sua estrutura para combater a corrupção.

O encontro foi organizado pelo Grupo de Trabalho sobre Corrupção da OCDE, uma espécie de ponto focal mundial do combate à lavagem de dinheiro e pagamentos de propinas. É a partir do trabalho da OCDE que padrões internacionais de luta contra a corrupção foram estabelecidos. Apesar de não fazer parte integral da OCDE ainda, o Brasil é avaliado pela entidade e participa plenamente dos esforços na área anti-corrupção.

A OCDE também avalia se governos estão seguindo as convenções internacionais nessa área, não apenas com leis, mas com recursos e independência suficiente para permitir ações.

Num email obtido pelo Estado, a direção da OCDE é explícita em cobrar o governo que, na reunião, será representado pela CGU e pelo Itamaraty.

“Gostaríamos de convidar países com eventos recentes que poderiam potencialmente impactar a implementação do combate ao pagamento de propinas”, indicou o texto. “Os países concernidos são Reino Unido, Noruega e Brasil”, explica a secretaria da OCDE.

Como o Estado mostrou em maio, a Polícia Federal reduziu a equipe destacada para a força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba, e diminuiu 44% do orçamento de custeio previsto para 2017. Esse foi o primeiro corte expressivo no efetivo de investigadores, nos três anos do escândalo. Em Curitiba, o contingenciamento foi de 1/3 das verbas – o que levou a Polícia Federal a desmanchar a força-tarefa da Lava Jato no Paraná.

De acordo com a OCDE, será aguardado do Brasil que explique “os acontecimentos relacionados com o anúncio da Polícia Federal em julho de 2017 de retirar recursos da Força Tarefa Lava Jato”.

“Em especial, estamos interessados em ouvir como as decisões anunciadas tem já sido implementadas e se isso representa o encerramento da força tarefa”, escreveu. “Também estamos interessados em saber como os recursos da Polícia Federal previamente alocados para a força tarefa vão ser realocados dentro das unidades da PF e se tais recursos serão dedicados a investigar casos específicos da Lava Jato”, questionou a OCDE.

 

O governo negou, na época, qualquer tipo de “esvaziamento” da Operação Lava Jato e alegou que a mudança era uma reestruturação administrativa interna da Polícia Federal.

Segundo o Jornal Valor, Temer foi fazer… nada na Rússia. E com o dinheiro dos brasileiros!

temerario.jpg

Vergonheira total. Não tem outra palavra para o que Temer foi fazer na Russia. Temer é o comandante da “maior quadrilha de bandidos” que assalta o Brasil descaradamente, como até mesmo grandes órgãos da imprensa golpista reconhecem. E assim mesmo ele deve ser conhecido lá fora. Nenhum sujeito importante foi receber Temer no Aeroporto. Até Ministros de países menores e menos importantes são recebidos por Putin ou por grandes mandatários.  Temer foi recebido por um “assistente”, um Vice-Ministro de Relações Exteriores (Nem o Ministro foi). E lendo o Valor Econômico a gente descobre que Temer foi fazer NADA na Rússia. Nenhum Acordo será assinado, diz a machete do Valor. E dá conta também, que várias empresas russas que investem no Brasil, resolveram não enviar representantes a reunião empresarial de alto nível (sic) que a trupe de Temer vai promover por lá.

A visita de Michel Temer à Rússia, que começa nesta segunda, será esvaziada diplomática e economicamente. Por lá, entre autoridades e empresários, ninguém quer saber do peemedebista.

A brevidade com a qual a visita foi confirmada (menos de uma semana antes da chegada de Temer ao país) e as indefinições que cercam o futuro do peemedebista impedirão que a visita venha a ter acordos relevantes ou resulte em investimentos de peso, como inicialmente anunciado pelo governo brasileiro.

Na lista dos 180 participantes do fórum empresarial a ser encerrado por Temer, há um único CEO, ainda assim da unidade russa da empresa brasileira de equipamentos elétricos WEG.

Entre os maiores investidores russos, segundo relatório preparado pela embaixada brasileira em Moscou, a estatal Rosneft, que detém blocos de exploração e petróleo na Bacia do Solimões, a Uralkali, que tem participação no terminal portuário de Antonina (PR), e a Sodrugestvo, que é a maior processadora de soja de São Paulo, não haviam confirmado a presença de representantes no evento até a noite de ontem.

Ironicamente, Temer tem como um dos pontos principais da visita a defesa da carne brasileira, principal produto de exportação do Brasil para a Rússia. Ou seja: isso implica fazer uma defesa de Joesley Batista.  A JBS, é a segunda maior empresa em volume de investimentos na Rússia, (U$ 137 milhões).

Com Informações do Brasil 247 e do Valor

Temer chama rei da Noruega de ’rei da Suécia’ e chega a ser vaiado na Noruega

Grupo norueguês vaiou o presidente

TEMER-RAIVA.jpg

Via: Plantão Brasil

O último dia de sua viagem à Europa, o presidente Michel Temer cometeu uma gafe durante compromisso oficial na capital norueguesa, chamando o rei norueguês Harald V, de “rei da Suécia”, país escandinavo vizinho à Noruega. O ato falho ocorreu em uma declaração de despedida nesta sexta-feira (23), na qual o presidente agradeceu, dirigindo-se à primeira-ministra norueguesa Erna Solberg, a hospitalidade das autoridades e do povo da Noruega.

No mesmo pronunciamento, Temer também se atrapalhou ao dizer que, mais tarde, iria visitar o parlamento do país europeu. Em vez de se referir ao Legislativo norueguês, ele disse que iria ao “parlamento brasileiro”.

“Mais uma vez, quero agradecer à vossa excelência e a todo o povo norueguês a gentileza e a delicadeza com que nos recebem. Embora voltando hoje [sexta] ao Brasil, desde já, com a reunião que tivemos ontem [quinta] com os empresários e da reunião que tivemos agora com vossa excelência e, mais adiante, com o parlamento brasileiro e, um pouco mais adiante, com sua majestade, o rei da Suécia, eu já tenho a mais firme convicção de que, embora muita rápida nossa visita, ela estreita cada vez mais os laços do Brasil com a Noruega”, disse Temer à primeira-ministra norueguesa.

Michel Temer desembarcou em Oslo na manhã desta quinta (22). No primeiro dia de compromissos no país escandinavo, ele teve encontro com empresários nórdicos.

Nesta sexta, o chefe de Estado brasileiro foi recebido pela primeira-ministra da Noruega. Do lado de fora da residência oficial de Erna Solberg, um grupo fez uma manifestação exibindo cartazes pedindo respeito à democracia, aos direitos humanos e aos direitos indígenas.

As cobranças ao presidente brasileiro não se restringiram ao protesto de militantes ambientais. Dentro da residência oficial, a primeira-ministra norueguesa disse a Temer que a Lava Jato preocupa o país europeu e afirmou que é preciso achar uma solução para a corrupção no Brasil.

“Estamos muito preocupados com a Lava Jato. É importante fazer uma limpeza”, disse Erna Solberg.

A referência à Lava Jato não foi o único constrangimento que Temer passou em meio à visita à Escandinávia. Na véspera da audiência com a primeira-ministra, o governo norueguês já havia anunciado que deve cortar pela metade o repasse ao Fundo Amazônia previsto para o ano que vem. Serão R$ 200 milhões a menos para a proteção da floresta brasileira.

O país nórdico, que já investiu quase R$ 3 bilhões em projetos de preservação e proteção de povos indígenas e da Amazônia – o Brasil recebia o equivalente a R$ 400 milhões por ano – manifestou insatisfação com recente alta do desmatamento em território brasileiro, especialmente, na região amazônica.

Há cerca de três anos, os índices de desmatamento passaram a aumentar no Brasil e os noruegueses começaram a questionar as políticas de conservação.