Embaixadores pedem Diretas Já, 115 diplomatas assinam documento pela saída de Temer

images|cms-image-000547715.jpg

Até a política externa e a diplomacia ingressaram ontem na crise política interna. O documento oficial criticando a “falta de estratégia” na política externa foi bombardeado por críticas e renegado pelo próprio governo, enquanto diplomatas lançavam manifesto defendendo a retomada do diálogo, do pacto democrático e das eleições no pais.
O manifesto, subscrito inicialmente por 115 diplomatas, externa preocupação com os ’prejuízos que a persistência da instabilidade política traz aos interesses nacionais de longo prazo’, e conclama as forças políticas do pais a restabelecerem o diálogo e o pacto democrático, em busca de um novo ciclo de desenvolvimento, “legitimado pelo voto popular e em consonância com os ideais de justiça socioambiental e de respeito aos direitos humanos.” O documento continuava circulando ontem à noite por embaixadas e consulados mundo afora, aberto a novas subscrições.
À noite, após uma torrente de criticas demolidoras, o Planalto divulgou nota negando paternidade governamental ao documento “Brasil, “Brasil, um país em busca de uma grande estratégia”, assinado pelo por Hussein Kalout, Secretário de Assuntos Estratégicos, e por seu adjunto, Marcos Degaut. Segundo a nota, o texto “não reflete princípios, posições ou prioridades da política externa do governo do presidente Michel Temer. Tampouco orienta ou subsidia sua ação diplomática. O governo reitera que se trata de produção de cunho estritamente acadêmico e pessoal, tal como mencionado na apresentação do estudo.”

O documento, entretanto, é assinado por autoridades governamentais e o texto é precedido da apresentação de um ministro de Estado, Moreira Franco, titular da Secretaria Geral da Presidência da República. Nele os autores afirmam que ao Brasil, nos governos Lula e Dilma e também no atual, uma estratégia coerente de inserção internacional, como se toda a atuação internacional brasileira tivesse sido errática e improvisada.

A reação mais contundente veio do ex-chanceler Celso Amorim, que ficou no cargo por oito anos, ao longo do governo Lula, período em que o Brasil conseguiu uma indiscutível e inédita projeção no cenário internacional, que lhe valeu até mesmo o epíteto de “melhor chanceler do mundo”. Pode-se discordar da estratégia, disse Amorim à Folha de São Paulo, mas dizer que ela não existiu revela má fé ou ignorância. Em sua gestão o Brasil tornou-se um “player” importante no multilateralismo global e teve papel ativo na construção de novas instituições, como o G-20 comercial. Ele recordou também que os BRICS nasceram do interesse de Rússia e da China pelo IBAS, o grupo formado por India, Brasil e África do Sul, com decidido empenho do Brasil. E recordou que, pela primeira vez, num mesmo período, o Brasil conseguiu emplacar os dirigentes de dois organismos importantes como a OMC (Roberto Azevedo) e a FAO (Jose Graziano). As críticas ao documento partiram também de diplomatas e estudiosos de relações internacionais. O atual chanceler, Aloysio Nunes Ferreira, classificou-o como “bobagem”.

Leia a íntegra do manifesto dos diplomatas:

DIPLOMACIA E DEMOCRACIA

Nós, servidoras e servidores do Ministério das Relações Exteriores, decidimos nos manifestar publicamente em razão do acirramento da crise social, política e institucional que assola o Brasil. Preocupados com seus impactos sobre o futuro do país e reconhecendo a política como o meio adequado para o tratamento das grandes questões nacionais, fazemos um chamado pela reafirmação dos princípios democráticos e republicanos.

2. Ciosos de nossas responsabilidades e obrigações como integrantes de carreiras de Estado e como cidadãs e cidadãos, não podemos ignorar os prejuízos que a persistência da instabilidade política traz aos interesses nacionais de longo prazo. Nesse contexto, defendemos a retomada do diálogo e de consensos mínimos na sociedade brasileira, fundamentais para a superação do impasse.

3. Desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, a consolidação do estado democrático de direito permitiu significativas conquistas, com reflexos inequívocos na inserção internacional do Brasil. Atualmente, contudo, esses avanços estão ameaçados. Diante do agravamento da crise, consideramos fundamental que as forças políticas do país, organizadas em partidos ou não, exercitem o diálogo, que deve considerar concepções dissonantes e refletir a diversidade de interesses da população brasileira.

4. Para que esse diálogo possa florescer, todos os setores da sociedade devem ter assegurado seu direito à expressão. Nesse sentido, rejeitamos qualquer restrição ao livre exercício do direito de manifestação pacífica e democrática. Repudiamos o uso da força para reprimir ou inibir manifestações. Cabe ao Estado garantir a segurança dos manifestantes, assim como a integridade do patrimônio público, levando em consideração a proporcionalidade no emprego de forças policiais e o respeito aos direitos e garantias constitucionais.

5. Conclamamos a sociedade brasileira, em especial suas lideranças, a renovar o compromisso com o diálogo construtivo e responsável, apelando a todos para que abram mão de tentações autoritárias, conveniências e apegos pessoais ou partidários em prol do restabelecimento do pacto democrático no país. Somente assim será possível a retomada de um novo ciclo de desenvolvimento, legitimado pelo voto popular e em consonância com os ideais de justiça socioambiental e de respeito aos direitos humanos.

SIGNATÁRIAS/OS:

Adriana Telles Ribeiro

Adriano Botelho

Alexey Van der Broocke

Alfonso Lages Besada

Álvaro Alberto de Sá Fagundes

Alvaro Augusto Guedes Galvani

Amintas Angel Cardoso Santos Silva

Ana Claudia Milhomem Freitas Figueira Neves

André Pinto Pacheco

André Souza Machado Cortez

Andréia Cristina Nogueira Rigueira

Antonio Cottas de Jesus Freitas

Bianca Xavier de Abreu

Bruno d’Abreu e Souza

Bruno de Toledo de Almeida

Bruno Rizzi Razente

Candice Sakamoto Souza Vianna

Carlos Augusto Carvalho Dias

Carlos Henrique Pissardo

Carlos Kessel

Carlos Sousa de Jesus Junior

Catarina da Mota Brandão de Araújo

Celeste Cristina Machado Badaró

Celia del Bubba

Chateaubriand Chapot Xavier Bezerra Neto

Claudia Assaf Bastos Rebello

Cláudia Maria de Liz Köche

Claudio Roberto Herzfeld de Castro

Cristiano José de Carvalho Rabelo

Daniel Machado da Fonseca

Davi de Oliveira Paiva Bonavides

Delma Nogueira da Mota

Eden Clabuchar Marting

Érika Vanessa Silva Souza

Ernesto Batista Mané Júnior

Fabianne Corrêa Dias de Jesus

Fabricio Araújo Prado

Felipe Afonso Ortega

Felipe Antunes de Oliveira

Felipe Dutra de Carvalho Heimburger

Felipe Pinchemel Cotrim dos Santos

Fernanda Mansur Tansini

Francisco Figueiredo de Souza

Gabriela Guimarães Gazzinelli

Gianina Müller Pozzebon

Gustavo da Cunha Westmann

Gustavo de Britto Freire Pacheco

Gustavo Meira Carneiro

Hamad Mota Kalaf

Helder Fernandes Dantas

Helen Roberta de Souza da Conceição de Almeida

Helena Lobato da Jornada

Hélio Forjaz Rodrigues Caldas

Hugo Lorenzetti Neto

Ilka Hitomi Joko Veltman

Isabela D’Ávila Vieira

Jackson Luiz Lima Oliveira

João André Silva de Oliveira

João Paulo Marão

José Joaquim Gomes da Costa Filho

José Roberto Rocha Filho

José Vicente Moreira Mello

Juliana Cardoso Benedetti

Julio de Oliveira Silva

Krishna Mendes Monteiro

Lara Lobo Monteiro

Larissa Maria Lima Costa

Laura Berdine Santos Delamonica

Leonardo Augusto Balthar de Souza Santos

Leonardo Carvalho Collares

Ligia Rissato Garofalo

Lilian Cristina Nascimento Pinho

Livia Oliveira Sobota

Luana Alves de Melo

Luis Gustavo Castro Ribeiro Marques

Luis Gustavo de Seixas Buttes

Luiz Fellipe Flores Schmidt

Luiz Guilherme Costa Koury

Luiza Maria de Lima Horta Barbosa

Luzia Cristina Lopes Cattini

Marcelo Almeida Cunha Costa

Marcelo Moraes Caetano

Márcia Fernanda Tavares Weigert

Márcio Gustavo Medeiros Barbosa

Marco Sparano

Marcus Vinicius Moreira Marinho

Maria Carolina Gomes de Azeredo Souza

Maria Clara Tavares Cerqueira

Maria das Dores da Silva Lima Filha

Maria Lima Kallás

Maria Luiza de França Coelho de Souza

Mariana Flores da Cunha Bierrenbach Benevides

Mariana Lobato Benvenuti

Mario Augusto Morato Pinto de Almeida

Marizete Gouveia Damasceno Scott

Mateus Cacique Moraes

Mateus Drumond Caiado

Matheus Machado de Carvalho

Maurício Martins do Carmo

Mayra Tiemi Yonashiro Saito

Mozart Grisi Correia Pontes

Nássara Azeredo Souza Thomé

Patricia da Rocha Canuto

Paula Rassi Brasil

Pedro Henrique Bandeira Brancante Machado

Pedro Ivo Ferraz da Silva

Pedro Vieira Veiga

Rafael Caminha de Carvalho Beltrami

Rafael Lourenço Beleboni

Rafael Prince Carneiro

Ramiro dos Santos Breitbach

Raul Torres Branco

Reinaldo Freitas Cortez

Renata Angélica Rossi

Renata Maria Braga Santos

Renata Negrelly Nogueira

Renato José Stancato de Souza

Ricardo Kato de Campos Mendes

Ricardo Martins Rizzo

Roberta Maria Lima Ferreira

Rodrigo Sergio de Medeiros

Rodrigo Ponciano Guedes Bastos dos Santos

Rodrigo Valle da Fonseca

Rômulo Milhomem Freitas Figueira Neves

Rosa Maria de Vassimon Brandão

Rui Santos Rocha Camargo

Sandra Maria Nepomuceno Malta dos Santos

Saulo Arantes Ceolin

Sérgio Carvalho de Toledo Barros

Sydma Aguiar Damasceno

Thiago Carvalho de Medeiros

Thiago Melamed de Menezes

Thomaz Alexandre Mayer Napoleão

Túlio César Mourthé de Alvim Andrae

Vivian Alves Rodrigues da Silva

Viviane Ferreira Lopes Diniz

Wellington Muller Bujokas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s