O “NAZIMARKETING” DE DORIA SAIU PELA CULATRA

“A cobertura jornalística da barbárie de domingo em São Paulo , somada à notícia de que Doria pediu à Justiça para autoriza-lo a recolher, à força e indiscriminadamente, supostos dependentes de crack, apagou completamente o brilho que o prefeito de São Paulo pretendia ter com a exploração deste drama social”, escreve Fernando Brito, editor do Tijolaço

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço

A cobertura jornalística da barbárie de domingo em São Paulo , somada à notícia de que Doria pediu à Justiça para autoriza-lo a recolher, à força e indiscriminadamente, supostos dependentes de crack, apagou completamente o brilho que o prefeito de São Paulo pretendia ter com a exploração deste drama social.

Primeiro, depois de ser escorraçado, junto com Geraldo Alckmin da imprudência de ir dar entrevista no meio de um lugar conflagrado, teve de ouvir – depois, em novo contato com a imprensa- o próprio governador dizer, diante dele, que não existe a internação compulsória como alternativa a drogados. Alckmin é medido. Doria, quem sabe, poderia ser um aspirante a Mengele.

Depois, durante todo o dia, a TV e os jornais mostraram os habitantes dos prédios que tiveram paredes demolidas e portas emparedadas. Não eram “cracudos”, mas pobres que habitam essa parte degradada do centro de São Paulo, alguns deles acordados com paredes caindo sobre a cama.

Agora cedo, mais dois diretos no queixo do marqueteiro: os viciados apenas se mudaram para um lugar, a poucas centenas de metros da “Cracolância”, mostrando que este tipo de demagogia apenas transfere o problema para outro lugar. E, numa atitude decente, Patricia Bezerra, Secretária de Direitos Humanos, entregou o cargo, indignada com a ação da Prefeitura.

Claro que há uma fração dos paulistanos que está aplaudindo, como aplaudiria qualquer ato de violência contra os miseráveis, que para eles não são seres humanos. Mas é a turma que Doria já divide com Jair Bolsonaro e deixa o prefeito em situação desconfortável na elite supostamente civilizada, que não gosta de ser vista como feroz assim.

Prefere um “projeto social” promocional.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s