O “GESTOR” Ampliou: Nova cracolândia de São Paulo tem oferta de crack a R$ 4 e lojas fechadas

688008-970x600-1.jpeg

Via: FOLHA

Um policial militar aborda a reportagem da Folha na praça Princesa Isabel, centro de São Paulo, manhã de terça-feira (23). Aponta uma espingarda e grita: “O que você quer aqui? Abre a mochila”. Ele faz a revista e pede documentos do repórter. Minutos depois, aconselha: “Circula, vaza, porque eles estão roubando todo mundo aqui”.

Eles, no caso, são os dependentes de crack que desde segunda-feira (22) ocupam a praça, a menos de 400 metros da antiga cracolândia. No domingo (21), uma ação policial do governo Geraldo Alckmin (PSDB) prendeu traficantes e expulsou usuários de droga de três ruas que eram ocupadas pelo antigo “fluxo” –área com consumo e tráfico de drogas a céu aberto.

A operação foi celebrada pelo prefeito João Doria (PSDB), que anunciou medidas municipais, como isolamento da área com guardas e demolição de imóveis.

Em seguida, centenas de dependentes se espalharam pelo centro. A maioria deles, no entanto, só atravessou a av. Rio Branco e se instalou na Princesa Isabel, que ocupa um quarteirão e fica ao lado de um terminal de ônibus.

Nos últimos três dias, a Folha constatou no local que o consumo e o tráfico de drogas continuaram, embora sem as mesas onde as drogas eram expostas para venda no antigo endereço da cracolândia. Tanto na terça como nesta quarta (24), era possível ouvir de longe, dentro do novo “fluxo”, a oferta, aos gritos, de pedra de crack por R$ 4.

PARA ONDE FORAM OS USUÁRIOS

Alckmin afirmou que parte do crack que abastecia usuários na antiga cracolândia era “refinado” dentro de prédios próximos ao “fluxo” –fato que dificultava a apreensão da droga pela polícia. Agora, com usuários espalhados, prefeitura e Estado dizem ser mais fácil a repressão ao tráfico de drogas e a abordagem dos dependentes.

Na praça, a Polícia Militar por vezes faz revistas em pedestres. Duas bases da corporação, com quatro agentes cada, cercam a área. O maior contingente de policiais e guardas municipais, porém, está fora de lá, nas três ruas onde a venda e consumo ocorriam até sábado (20).

Assistentes sociais e de saúde da prefeitura são vistos com pranchetas no local desde terça abordando os dependentes para tentar levá-los ao atendimento médico. O secretário de Assistência Social da gestão Doria, Filipe Sabará, diz que a abordagem nesta semana conta com 300 pessoas, das 7h às 20h. “Nunca houve um atendimento tão priorizado a uma população de rua dependente química como essa”, afirma.

Pela promessa da gestão Doria, isso teria sido feito antes da ação policial, e não depois da dispersão dos dependentes pelo centro. A ideia divulgada era entrevistar gradualmente os frequentadores da antiga cracolândia para conduzi-los a dois caminhos: moradia ou internação.

O psiquiatra Mauro Aranha, presidente do Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo), afirma que esse atendimento aos usuários de droga chegou tarde e ficou prejudicado. “Dispersando as pessoas, você perde acesso a elas”, diz. Além disso, afirma, a estrutura para acolher essas pessoas ainda não foi criada.

“Por que não fizeram essas medidas antes? Por que não fez Caps [centro psicossocial], não providenciou as casas de acolhida antes? Agora não tem equipamento social para dar comida, cobertor e cama”, afirma Aranha.

COMÉRCIO FECHADO

O novo endereço do crack trouxe transtornos a comerciantes e moradores da avenida Rio Branco e da rua Guaianases, área que concentra estabelecimentos de venda de carros e acessórios. Eles se queixam do aumento de assaltos nos últimos dias. Algumas lojas ficaram fechadas nesta quarta-feira; em outras, as portas foram parcialmente abaixadas.

O dono de uma concessionária, que prefere não se identificar, diz que “do nada começa uma correria”. Nessas horas, só resta fechar as portas.

Alguns metros à frente, Álvaro Vidal, 34, comerciante de produtos automotivos, resolveu transferir todos os produtos de sua loja para outra unidade que tem no centro. “Essa manhã cheguei e vi a porta amassada. Acho que tentaram arrombar. Por precaução, vou sair daqui. Se continuar assim, não volto mais.”

Continuar lendo: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/05/1887193-nova-cracolandia-de-sao-paulo-tem-oferta-de-crack-a-r-4-e-lojas-fechadas.shtml

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s