Privatizada na ditadura, previdência chilena paga aposentadoria menor que salário mínimo

Trinta anos depois, 60% dos clientes do sistema recebem dois terços do piso salarial no Chile; estrutura criada por Pinochet prometia ‘capitalismo popular’

Via: Opera Mundi

“Este é o capitalismo popular, senhores! De agora em diante, todo chileno será um acionista”. Frases entusiasmadas, de um passado não muito distante, repetidas quase diariamente, em anúncios televisivos e entrevistas para a imprensa chilena, pelo economista neoliberal José Piñera. Em 1982, o então ministro do Trabalho da ditadura de Augusto Pinochet explicava seu mais recente feito: o novo sistema previdenciário chileno, agora privatizado, que substituiria o antigo sistema estatal solidário por um modelo em que empresas privadas administrariam contas individuais de previsão.

Assim surgiram as AFPs (administradoras de fundos de pensão), empresas dedicadas a gerir o dinheiro dos contribuintes reservados à aposentadoria futura, injetando-o no mercado de capitais. Em poucos meses, surgiram no país 14 novas companhias dedicadas a este mercado, que competiam de forma selvagem pelos primeiros clientes e prometiam uma aposentadoria de luxos e extravagâncias.

20150225_141114.jpg
Sistema privatizado de previdência, criado há 30 anos, expõe agora, com os primeiro beneficiáiros, suas distorções

Quis o destino que, quando os primeiros chilenos começaram a se aposentar pelo sistema previdenciário privado, o presidente do país fosse irmão do homem que o desenhou. Sebastián Piñera teve de enfrentar a insatisfação dos pensionistas diante de uma realidade diferente da promessa pregada nos anos 1980, com valores muito inferiores aos prometidos, além de questionamentos a uma série de situações definidas em acordo pelas empresas.

Após 30 anos de lançado e com mais de 70 trilhões de pesos arrecadados (R$ 350 bilhões), o sistema privatizado de previdência entrega hoje, para a maioria dos clientes, pensões inferiores ao valor do salário mínimo chileno. Segundo números do Banco Central, mais de 60% dos usuários já aposentados recebem menos de 120 mil pesos (dois terços de um salário mínimo, e equivalente a R$ 600). O salário médio dos usuários do sistema é de 575 mil pesos (quase R$ 3 mil).

A título de comparação, em janeiro de 2014, o valor médio da aposentadoria no Brasil era de R$ 927. A quantia corresponde a 128% do salário mínimo brasileiro à época, de R$ 724.

Com torcida em Gaza e Cisjordânia, clube Palestino do Chile vence em estreia na Libertadores

Chile aprova lei de extermínio de cães em zonas rurais e abre polêmica com entidades protetoras

Denúncias contra filho e ministro de Michelle Bachelet abrem crise política no Chile

Uma das medidas tomadas pelo ex-presidente Piñera para corrigir os problemas do sistema criado por seu irmão, foi a adoção de um aporte complementário para aqueles que recebem menos de 100 mil pesos (500 reais) de aposentadoria. Criado em 2013, o aporte já tem mais de 20 mil beneficiários — mais de 15% dos aposentados pelo sistema de previdência privada.

Origem e transição

Prestes a completar uma década no comando, Pinochet enfrentava sua pior crise econômica. O sistema bancário estava quebrado e a população começava a questionar seu poder, preocupada com o fim da estabilidade econômica, argumento usado desde o golpe de Estado para justificar o regime de exceção. Foi neste contexto histórico que nasceu o atual sistema previdenciário chileno, desenhado por José Piñera, um dos mais conhecidos dos Chicago Boys (economistas formados na Universidade de Chicago, onde tiveram a influenciado pai do neoliberalismo, Milton Friedman).

Para o economista Hugo Fazio, diretor do Cenda (Centro de Estudos Alternativos Sobre o Desenvolvimento Nacional), a privatização do sistema previdenciário deu uma “sobrevida” à ditadura (1973-1990).

“A primeira grande jogada é que trouxe muito dinheiro fresco a uma economia chilena em problemas. As AFPs ajudaram a recuperar a economia investindo as contribuições dos trabalhadores no mercado, e esta estratégia deu uma sobrevida de alguns anos à ditadura”, assinala Hugo Fazio a Opera Mundi.

Fachada de uma agência de AFP, empresa que administra os fundos de pensão no Chile
Fachada de uma agência de AFP, empresa que administra os fundos de pensão no Chil

Durante o período de captação de clientes, nos primeiros anos do sistema recém-implantado, a concorrência entre as 14 empresas que começaram a oferecer o serviço era feroz. Quem relata isso é a professora María Luz Navarrete, presidente do movimento social Aqui La Gente, a mais ativa organização contra o atual sistema previdenciário chileno: “Tive muitos familiares que foram vendedores de AFP, todo chileno tinha um parente vendedor de AFP, era o emprego da moda nos anos 1980. E eles ofereciam de tudo para você se afiliar, ou para mudar de uma para outra administradora. Eles abordavam as pessoas na rua e ofereciam desde uma televisão a cores até prêmios em dinheiro para você assinar com a sua AFP”, relata.

A transição entre um modelo e outro foi complexa. Com a criação do novo sistema, o Instituto de Previdência Social passou a funcionar somente com as pessoas que já haviam entrado no mercado de trabalho e que não queriam passar para o novo sistema. As pessoas que ingressaram no mercado de trabalho a partir daquele ano de 1982 não tinham mais a opção estatal, e deveriam escolher entre as empresas privadas que ofereciam o serviço — entre as reclamações mais comuns dos primeiros aposentados pelo novo sistema estão as de pessoas que começaram trabalhando na época do sistema antigo, mas que foram colocadas numa AFP sem seu consentimento.
Ainda assim, a etapa inicial do sistema privado foi um sucesso, conseguindo afiliar quase 3 milhões de clientes somente na primeira década, com a promessa de que as contribuições bem administradas poderiam render aposentadorias até maiores que as do salário médio do contribuinte.

 

Continuar lendo: http://operamundi.uol.com.br/conteudo/geral/39649/privatizada+na+ditadura+previdencia+chilena+paga+aposentadoria+menor+que+salario+minimo.shtml

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s