Os próximos alvos da Lava Jato: Romário, Jutahy Júnior e Rodrigo Maia

Mensagens de celular mostram que os três parlamentares negociaram doações suspeitas com empreiteiros. Serão investigados pela força-tarefa

Por ÉPOCA

O telefone celular do empreiteiro Marcelo Odebrecht, preso há um ano em Curitiba, é um parque de diversões para investigadores da corrupção. Marcelo mantinha uma bem organizada coleção de arquivos com conversas e anotações dos negócios ilegais com lobistas e políticos encastelados no poder, essenciais para administrar a rede criminosa que sustentava seus negócios com o governo. Foi dali que surgiram as investigações sobre os primeiros sinais de que a campanha da presidente afastada, Dilma Rousseff, ao Planalto em 2014 fora abastecida por pagamentos realizados na Suíça, entre outras ilegalidades. Nos últimos dias, com base em mensagens trocadas por Marcelo e informações dadas por outros empreiteiros, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a abertura de novos inquéritos para investigar políticos que passavam incólumes à Operação Lava Jato.

ÉPOCA obteve informações sobre três nomes da nova lista de inquéritos sigilosos de Janot, todos da oposição ao governo Dilma, com investigações iniciadas a partir de mensagens trocadas pelo celular de Marcelo e de outro empreiteiro, Léo Pinheiro, da OASA principal estrela da nova safra de inquéritos é o senador Romário, do PSB do Rio de Janeiro. Há ainda os deputados Jutahy Júnior, do PSDB da Bahia, e Rodrigo Maia, do DEM do Rio de Janeiro. Janot vai pedir ao Supremo Tribunal Federal autorização para investigar os três parlamentares pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Os casos dos três parlamentares podem não ter nada a ver com o petrolão. Opositores do governo Dilma, Rodrigo e Jutahy não faziam parte de PT, PMDB e PP, partidos donos de diretorias da Petrobras e com direito a cobrar pedágio das empreiteiras. A investigação indica que os três caíram pela velha prática das relações promíscuas com empreiteiras.

>> Ex-presidente da OAS diz que construtora doou R$ 3 milhões para a campanha de Pimentel

O nome de Romário aparece em mensagens trocadas entre Marcelo Odebrecht e seu subordinado Benedicto Barbosa da Silva Júnior, descobertas no ano passado, quando Marcelo foi preso. Benedicto é um dos principais executivos da Odebrecht e ganhou notoriedade quando a Polícia Federal encontrou, em seu apartamento, planilhas com controles de valores distribuídos a mais de 200 políticos. Assim como o chefe Marcelo Odebrecht, ele chegou a ser preso pela Lava Jato. A suspeita da Procuradoria é que a Odebrecht tenha colocado R$ 100 mil no caixa dois da campanha de Romário, após a eleição vitoriosa para o Senado, em 2014. Segundo Janot escreveu na petição, a conversa entre Marcelo e Benedicto é considerada um indício da prática habitual e sistemática de pagamento de propina. Apesar de o diálogo citar R$ 100 mil, não houve doações oficiais da Odebrecht para Romário. A investigação, contudo, ainda está nos primeiros passos para tentar descobrir se efetivamente foi pago o montante tratado nas conversas. Romário é um dos votos decisivos na etapa final do impeachment de Dilma. Na primeira votação, ele votou contra Dilma. Há duas semanas, no entanto, Romário mostrou-se hesitante.

>> Rodrigo Janot, o homem que fez Brasília tremer

Outrora cotado para ser o líder do governo de Michel Temer na Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) aparece em mensagens de celular trocadas com Léo Pinheiro, sócio da empreiteira OAS. “A doação de 250 vai entrar?”, diz Rodrigo. Dois dias mais tarde, ele insiste. “Se tiver ainda algum limite pra doação, não esquece da campanha aqui.” Como não houve nenhuma doação oficial, a PGR levanta a suspeita de mais um caso de caixa dois na campanha de 2014.

Em situação similar está o deputado Jutahy Júnior. A Procuradoria descobriu que ele marcou uma reunião com Léo Pinheiro e, no dia seguinte, recebeu uma doação de R$ 30 mil. Uma mensagem de texto enviada pelo parlamentar, contudo, questiona Léo sobre quando entraria a segunda parte do combinado. “Caso seja possível gostaria da sua ajuda para (que a) Varjão (OAS) completasse o combinado. Desde já agradeço a grande ajuda que vcs (sic) deram para minha campanha. Do amigo Jutahy”, diz Jutahy. Como não houve uma segunda doação oficial, a PGR apura se houve pagamento a algum fornecedor.

>> “O desafio da nossa hora é o de combater a impunidade”, diz Janot em carta a procuradores

Os diálogos mostram como a relação entre políticos e empreiteiras durante as eleições de 2014 mantinham-se as mesmas, mesmo com o avanço da Lava Jato sobre os negócios dessas empresas com a Petrobras. O maior exemplo disso é Léo Pinheiro. Em 3 de novembro de 2014, seu celular apitava. Era Jutahy novamente. “Entreguei hoje minha prestação de contas da minha campanha sem débitos. Mais uma vez obrigado pela grande ajuda de vcs. Abrç amigo do Jutahy (sic)”, diz a mensagem. Passaram-se 11 dias e Léo Pinheiro estava preso pela Lava Jato.

Nos três casos, o pedido de Janot foi encaminhado ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo. Teori poderá tomar dois caminhos. Se entender que o caso tem relação com o petrolão, ele deverá abrir um inquérito para cada um dos parlamentares. Ele pode ainda submeter a decisão ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski, caso conclua que não há relação direta com os desvios da Petrobras. Marcelo Odebrecht e Léo Pinheiro negociam acordos de delação premiada com a Justiça. Se contarem tudo o que sabem, podem esclarecer práticas criminosas de potencial devastador, que inclui o destino de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Podem, também, implodir parlamentares e sua relação financeira promíscua com as empresas.

Por meio de sua assessoria, o senador Romário afirma que não recebeu qualquer doação da Odebrecht e nunca conversou com Marcelo Odebrecht. Afirma que todas as doações recebidas foram legais e registradas na prestação de contas da campanha de 2014. Também por meio de sua assessoria, o deputado Rodrigo Maia diz que as doações da construtora OAS foram feitas ao diretório nacional do DEM e transferidas para a campanha do então candidato ao Senado, Cesar Maia, seu pai. Rodrigo diz que todas as doações estão registradas e foram aprovadas pela Justiça Eleitoral. A Odebrecht preferiu não se manifestar.

>> O ministério da Lava Jato

O deputado tucano Jutahy Júnior nega que as doações recebidas da OAS tenham abastecido caixa dois. Segundo o deputado, a OAS fez um depósito de R$ 300 mil para o partido em agosto de 2014, sendo R$ 30 mil para sua campanha e o restante para o diretório nacional. Ele explica a troca de mensagens em que cobra uma segunda parcela: “A OAS havia combinado de fazer uma doação maior em duas parcelas. Minha mensagem foi um pedido para que a segunda parcela fosse depositada. Mas ela nunca foi”.

teatropolitica-ok.png

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s