Tucano que prometeu “arrancar cabeça de Dilma” terá que reafirmar ameaças à PF e dar explicações ao MPF e OAB

Candidato do PSDB que prometeu “arrancar cabeça de Dilma” terá que reafirmar ameaças à Polícia Federal

Via: VIOMUNDOPimenta-e-Matheus-001

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) apresentou, nesta segunda-feira (31), um conjunto de requerimentos à Polícia Federal, Ministério da Justiça, Ministério Público Federal e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que seja apurada a ameaça de morte à Presidenta Dilma Rousseff feita por um advogado de Brasília, e que em 2014 concorreu ao cargo de deputado federal pelo PSDB.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Matheus Sathler Garcia afirma que, caso a Presidenta Dilma não saia do Brasil até a véspera do dia 7 de setembro, “sangue vai rolar”, e prossegue dizendo que  “com a foice e o com o martelo nós vamos arrancar sua cabeça e pregar e fazer um memorial pra você”.

No pedido remetido à PF, o deputado Pimenta solicita que o advogado filiado ao PSDB seja ouvido para que reafirme diante da autoridade policial as ameaças feitas à Presidenta Dilma. “Ele terá uma oportunidade para reafirmar as ameaças e esclarecer o teor de sua manifestação”, enfatizou Pimenta, lembrando que recentemente, em um caso idêntico, um americano foi detido após ameaçar de morte o Presidente Barack Obama. Nos Estados Unidos ameaças dirigidas ao Presidente são punidas com até 10 anos de prisão.

Em outro documento enviado ao Ministério da Justiça, o parlamentar requer “instauração de procedimento investigatório adequado”. De acordo com o Código Penal cabe, exclusivamente, ao ministro da Justiça proceder quando crimes contra a honra forem dirigidos à Presidente da República.

O deputado Pimenta fez ainda mais três encaminhamentos: ao Gabinete de Segurança Institucional do Ministério da Justiça, responsável pela segurança do 7 de setembro; um pedido de providências ao Ministério Público Federal, por incitação ao crime; e à Ordem dos Advogados do Brasil, para que o Tribunal de Ética e Disciplina instaure processo disciplinar contra Matheus Sathler Garcia.

De acordo com Pimenta, além das ameaças, o advogado prega mecanismos violentos de rompimento da ordem constitucional, com flagrante escárnio pelos princípios do Estado Democrático de Direito.

“O Código prevê ainda que o advogado ‘deve ter consciência de que o Direito é um meio de mitigar as desigualdades para o encontro de soluções justas e que a lei é um instrumento para garantir a igualdade de todos’ (artigo 3º).

O advogado Matheus Diniz Sathler Garcia, ao contrário, prega mecanismos violentos e que se valem até mesmo de tortura e da morte para finalidades políticas”, diz o pedido do deputado Pimenta enviado à OAB.

PS do Viomundo: Em entrevista ao UOL, Matheus explicou quem é sua turma:

UOL – O senhor partilha dessas ideias com algum grupo político ou pessoas com posicionamentos semelhantes? Há peças de sua campanha ao lado do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ)…

M.S. – Minha relação é muito boa com o Pastor Silas Malafaia, com o deputado Pastor Marcos Feliciano (PSC-SP) e com o Padre Paulo Ricardo (da ala conservadora da Igreja Católica). Também têm entrado em contato comigo o Reinaldo Azevedo e o Rodrigo Constantino (ambos colunistas e blogueiros da revista Veja). Nós, os liberais-conservadores, temos nos articulado, sim.

Assista ao Vídeo:

Anúncios

Manifestantes conseguem apagar a tocha olímpica em Angra dos Reis, no Rio

Manifestantes que protestam contra os gastos da prefeitura de Angra dos Reis com a Olimpíada conseguiram apagar a tocha olímpica e interromper o seu revezamento durante a sua passagem pela cidade.

O protesto obrigou os organizadores a suspender o primeiro trecho do revezamento. Batalhão de choque da Polícia Militar chegou a usar bombas de gás para conter os manifestantes.

proxy

Vídeos do local divulgados através das redes sociais mostram como os manifestantes conseguiram cercar o ônibus que acompanhava a turnê. É possível ver um dos condutores voltando ao veículo com a tocha apagada, gritando: “Apagaram a tocha”.

 

Roger comete Xenofobia contra nordestinos após divulgação de pesquisa presidencial

roger-moreira-ultraje-nordeste-nordestinosVocalista da banda Ultraje a Rigor se revolta com nordestinos após divulgação de pesquisa que aponta a liderança de Lula para a eleição presidencial de 2018. O cantor ainda bateu boca com internautas depois de receber mensagens de repúdio e insistiu na tese xenofóbica

Via: Pragmatismo Político

Roger Moreira, 59, vocalista da banda Ultraje a Rigor, foi duramente repreendido por internautas após publicar, em sua conta oficial do Twitter, uma mensagem ofensiva aos nordestinos.

Ao reproduzir uma matéria que tratava da liderança do ex-presidente Lula na última pesquisa Datafolha para a eleição presidencial, o cantor atribuiu o fato ao “alto número de ignorantes no Nordeste”.

Apesar de receber diversas mensagens de repúdio, o músico ignorou as críticas e insistiu na tese.

“O País continuará estagnado enquanto houver

pessoas preconceituosas como você. Não esqueça que o Nordeste também consome o produto que o Ultraje a Rigor produzo… algo que vocês chamam de ‘música’. Sugiro que faça um estágio no Nordeste. De repente você aprende a compor com Alceu, Chico César, Zé Ramalho”, criticou um internauta.

Internautas lembraram ainda que sem o alto índice de votação em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, Lula e Dilma não teriam sido eleitos. A presidente afastada, aliás, se sagrou vitoriosa em Minas na última eleição presidencial — berço político de seu principal adversário no pleito, Aécio Neves.

Tese repetida

A tese que “culpa” nordestinos pelos sucessos eleitorais de Lula e Dilma não é nova e costuma vir à baila de tempos em tempos. O caso mais emblemático foi o de Mayara Petruso, estudante de Direito que defendeu o assassinato de nordestinos por afogamento após a vitória de Dilma Rousseff em 2010.

Mais recentemente, a esposa do presidente da Abril, editora responsável pela revista Veja, publicou uma mensagem de ódio contra nordestinos durante as controvérsias do processo que pedia o impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados. “O Nordeste colocou Dilma no planalto, agora um nordestino não quer deixá-la sair [Waldir Maranhão]. Depois dizem que somos preconceituosos. Será mesmo?”, escreveu.

FMI RECOMENDA ALTA DE IMPOSTOS AO BRASIL PARA COMPLETAR AJUSTE FISCAL

Wellton Máximo, repórter da Agência Brasil – O Brasil deverá aumentar impostos para complementar o ajuste fiscal, recomendou o Fundo Monetário Internacional (FMI). Em documento divulgado hoje (21), o FMI informou que o pequeno espaço para o Banco Central reduzir os juros aumenta a necessidade de o país buscar o equilíbrio nas contas públicas, tanto por meio de corte de gastos quanto por meio de elevações de tributos.

De acordo com o documento, a alta de impostos deverá complementar a proposta de limitar o crescimento dos gastos públicos, enviada ao Congresso Nacional no mês passado. O FMI também recomenda que o país continue com reformas estruturais que permitam ao governo reduzir despesas obrigatórias, como as da Previdência Social.

“No Brasil, o espaço para políticas de estímulo monetário é limitado por pressões inflacionárias subjacentes, e a consolidação fiscal deve continuar para reduzir os grandes déficits [nas contas públicas]. O novo governo deve complementar o limite proposto para os gastos federais correntes com medidas tributárias [termo usado pelo FMI para se referir a altas de tributos] e enfrentar a rigidez de gastos e mandatos insustentáveis, inclusive no sistema de previdência”, destacou o FMI.

Chamado de Nota de Vigilância do FMI para o G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do planeta), o documento traz recomendações para a reunião de ministros das Finanças do grupo. O encontro começa no sábado (23) na China e terá o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, como representante brasileiro.

Além do aumento de impostos e da contenção dos gastos públicos, o documento sugere que o Brasil prossiga com reformas estruturais que aumentem a produtividade e a competitividade. Para o FMI, o país também precisa dar continuidade à implementação do programa de concessões de infraestrutura, considerado pelo órgão como essencial para eliminar gargalos logísticos e impulsionar o crescimento do país.

Segundo o documento, as condições no Brasil e na Rússia começam a melhorar, e os dois países podem retomar o crescimento econômico em 2017. De acordo com o FMI, a alta recente no preço das commodities – bens primários com cotações internacionais – alivia as pressões sobre os países emergentes, mas os preços continuam baixos em relação aos anos anteriores, e empresas no Brasil, na Índia e na Turquia estão endividadas em moeda local e estrangeira, o que pode acarretar dificuldades caso as condições da economia internacional se agravem e o fluxo de capitais se reduza.

Ao anunciar, no início do mês, a meta fiscal de déficit de R$ 139 bilhões, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o número leva em conta a obtenção de R$ 55,4 bilhões em receitas extras no próximo ano. Segundo Meirelles, o governo pretende recorrer a todas as fontes de recursos disponíveis, como venda de ações de estatais em bolsas de valoress, venda de ativos do governo, concessões de infraestrutura e outorga de campos de petróleo. A elevação de tributos viria apenas em último caso.

Dilma cria, Temer tira: Ciência sem Fronteiras cancela novas bolsas para alunos de graduação

O governo federal vai interromper a concessão de novas bolsas de intercâmbio internacional para estudantes de graduação no âmbito do Ciência sem Fronteiras. As bolsas para universitários sempre foram o foco do programa, e representam 79% dos benefícios já concedidos.

Mesmo com o cancelamento de novos editais para esses alunos, o ministro da Educação Mendonça Filho (DEM) insiste que a decisão não significa o fim do programa. Ele promete que haverá novas bolsas para alunos da pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado).

Também planeja criar uma modalidade de bolsas no exterior para alunos pobres de ensino médio e que estudem em escolas públicas. Mas tanto as novas bolsas para pós-graduação quanto essas para o ensino médio dependem de liberação de orçamento.

O alto custo com as bolsas é o principal motivo para o cancelamento de novos novos editais para a graduação. “Um aluno no programa custa na média R$ 105 mil por ano. O governo gastou no ano passado com 35 mil bolsistas o equivalente a todo investimento em merenda escolar para cerca de 40 milhões de estudantes”, disse o ministro.

O Ciência sem Fronteiras custou no ano passado R$ 3,7 bilhões, o mesmo gasto com o programa federal de alimentação escolar, de acordo com informações do MEC. “O programa está parado desde 2015, ainda na gestão anterior. Não tem avaliação de impacto, as matérias que os alunos fazem muitas vezes não são incorporadas à grade curricular daqui”, critica o ministro. O cancelamento de bolsas para a graduação foi revelado pelo portal UOL (empresa do Grupo Folha).

BOLSAS

O governo federal já concedeu 92,8 mil bolsas para estudantes e pesquisadores em outros países. O programa mantém atualmente 14,4 mil bolsas vigentes, sendo 10 mil (70%) para estudantes de graduação.

O ministro garantiu que os alunos e pesquisadores que permanecem no exterior terão seus benefícios pagos até o fim de seus cursos. “Todos os alunos que estão em curso terão os pagamentos honrados”, disse.

O programa foi criado em 2011 pela presidente Dilma Rousseff. Com foco em áreas de tecnologia e engenharia, o governo pretendia enviar para o exterior 101 mil estudantes. Parte dessas bolsas seriam financiadas por empresas, o que não se efetivou.

A iniciativa acabou se tornando uma das bandeiras do primeiro primeiro mandato de Dilma na área de educação, embora tenha acumulado críticas sobre o baixo impacto científico obtido ao financiar mais estudantes de graduação do que de pós.

Outra controvérsia envolve o perfil de instituições para onde os bolsistas foram enviados. Como a Folha revelou em junho, menos de 4% dos beneficiados foram para uma das 25 melhores universidades do mundo, classificadas no ranking britânico Times Higher Education.

Após o afastamento da presidente, o ministro Mendonça Filho tem repetido de que não haveria recuo de programas na pasta, citando o Ciência sem Fronteiras, Fies (Financiamento Estudantil) e o Pronatec (programa de formação técnica e profissional).

Em junho, a Folha publicou reportagem sobre interrupção de pagamentos de pesquisadores de doutorado que estão no exterior pelo programa. O governo defendeu que não havia cortes. A não renovação teria ocorrido por questões de qualidade. O programa dispõe hoje de R$ 1,8 bilhão para garantir a continuidade das bolsas.

(Folhapress)

Mulher de Cunha “ostentou” no Facebook viagens bancadas, segundo o MPF, pelo petrolão

Cruzamento feito pelo jornal O Globo mostra que a jornalista Cláudia Cruz publicou fotos de viagens em que fez compras, de acordo com denúncia, com dinheiro de corrupção da Petrobras. Entre os destinos, Nova York, Barcelona, Paris, Lisboa, Roma, São Petersburgo e Dubai

Via: Congresso em Foco

claudia-cruz-sao-petersburgo1
Cláudia Cruz, o Sena em Paris ao fundo, e suspeitas de compras com dinheiro de corrupção

Cruzamento feito pelo jornal O Globo mostraque a jornalista Cláudia Cruz, mulher do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), divulgou em seu Facebook fotos de viagem em que fez compras, segundo o Ministério Público Federal, com dinheiro de corrupção da Petrobras. No roteiro aparecem alguns dos principais destinos turísticos internacionais, como Nova York, Miami, Orlando, Barcelona, Zurique, Paris, Roma, Lisboa, São Petersburgo e Dubai.

De acordo com os investigadores, a família viajou nove vezes ao exterior entre 2012 e 2013 e gastou, nesses passeios, US$ 526.760 com cartões de crédito cujas faturas eram pagas com recursos da conta suíça Köpek, abastecida, segundo a denúncia que tornou Cláudia Cruz ré, com dinheiro do petrolão.

A reportagem de Guilherme Amado relata que as primeiras fotos da jornalista que coincidem com os pagamentos identificados pela Lava Jato foram tiradas na Espanha, para onde o casal viajou em 2013 para a formatura da filha do peemedebista em um curso de MBA. O curso, no valor de US$ 119 mil, foi pago pela conta utilizada e não declarada por Cláudia, segundo O Globo. Imagens da formatura, de pratos com lagosta e ostras e selfies na praia de Barcelona e na piscina do hotel foram publicadas pela jornalista em sua página.

Naquele mesmo mês, ela viajou com a enteada para Paris, onde também fizeram compras com o cartão e tiraram fotos na Torre Eiffel e às margens do rio Sena. Em setembro daquele ano, observa o jornal, Cláudia foi a Nova York, onde comprou em lojas de departamento de luxo e na famosa joalheria Tiffany. O passeio foi novamente registrado na rede social.

claudia_cruz_paris1-220x300
“Paria será sempre Paris”, escreveu a Jornalista em sua página no Facebook

O jornal ressalta que, na denúncia apresentada à Justiça, o Ministério Público Federal sustenta que Cláudia tinha “consciência dos crimes que praticava” quando ia às compras. Os valores são considerados pelos procuradores incompatíveis com os rendimentos declarados pelo casal à Receita Federal. Em sete anos, foram gastos mais de US$ 1 milhão com cartões de crédito. Em 2015 Cláudia declarou ter recebido R$ 76.711,20 por serviços prestados para pessoas físicas e ser dona de um patrimônio de R$ 3,7 milhões. A defesa da jornalista disse ao Globo que o dinheiro “não era de corrupção e que isso ficará provado no processo”.

 

 

claudia-cruz-barcelona1-300x267
Em Barcelona, para acompanhar formatura de enteada em curso custeado, segundo denúncia, pelo petrolão

 

Em mensagens publicadas em seu Twitter esta tarde, Cunha disse que vai à Justiça pedir direito de resposta no jornal para que sua família possa dar a própria versão. O deputado afastado escreveu que Cláudia tem recursos mais que suficientes para bancar suas viagens com o dinheiro que recebeu de ação trabalhista que venceu contra a TV Globo, após deixar a emissora, onde apresentou telejornais como o Jornal Hoje. O peemedebista atribui a publicação a perseguição. “Derrotar a Globo em processo judicial tem um custo caro e isso serve de exemplo para quem ousar enfrentá-la.Essa e a mensagem da campanha”, publicou. Ele alega que não foi procurado para comentar o assunto.

 

 

 

 

 

 

 

Aposentado aos 37 anos, FHC considera R$ 22,1 mil ‘razoável’ valor que recebe

Valor da aposentadoria de FHC pela USP está acima do teto permitido por lei. Quando foi Presidente da República, uma de suas declarações mais polêmicas foi a respeito dos aposentados, a quem chamou de “vagabundos”

No dia 12 de maio de 1998, ainda em seu primeiro mandato, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deu sua declaração mais polêmica. “Fiz a reforma da Previdência para que aqueles que se locupletam da Previdência não se locupletem mais, não se aposentem com menos de 50 anos, não sejam vagabundos em um país de pobres e miseráveis“, disse ele [íntegra aqui].

FHC, no entanto, foi aposentado como professor catedrático da USP em 1968, aos 37 anos, pelo regime militar. Recentemente, sua pensão, de R$ 22,1 mil mensais, apareceu numa lista de vencimentos superiores ao teto permitido por lei.

Ontem, ao participar de um evento na USP, FHC falou a respeito. “Todo mundo reclama de salário e acha que seu salário é baixo“, disse ele. “O meu é razoável“.

Ele negou receber acima do teto legal, embora sua pensão, de exatos R$ 22.150,94, esteja acima dos R$ 20.662,00 recebidos pelo governador Geraldo Alckmin.

Comparado com o que se ganha no setor privado, aí significa muito, porque a aposentadoria do INSS é muito baixa“, disse ainda FHC. “Não é da USP que é alta. O INSS que é baixo“.

Via: Pragmatismo Político

Extrema Direita da Lituânia: Eutanásia, solução para os pobres?

Rimantė Šalaševičiūtė (foto), ex-ministra lituana da Saúde, do PSD, partido de direita, afirmou que a “Eutanásia pode ser uma boa opção para os pobres” e disse claramente que era uma solução para quem não quiser sobrecarregar a sua família com custos ou com a visão do espectáculo do seu sofrimento, pois na Lituânia não existe estado social.

Como se o sofrimento fosse um espetáculo. Como se um pobre sofredor devesse ser morto para evitar que os outros o vejam.
Este é um dos objetivos de muitos defensores da eutanásia: reduzir custos com despesas de saúde com aqueles que não podem pagar os elevados preços dos cuidados de saúde, encurtando-lhes a vida prematura e deliberadamente.
E não se trata só de pobres com doenças terminais. Na mesma ocasião a ministra lituana também considerou a eutanásia como adequada para crianças com doenças graves, que podem representar custos elevados quando as suas doenças se tornam crônicas ou incapacitantes como as deficiências físicas ou mentais.
As declarações da então ministra foram reproduzidas em diversas revistas da especialidade, nomeadamente na BioEdge especializada em bio-ética.
Este é o tipo de solução neoliberal para legalizar a eutanásia Uma vez a porta aberta, a vida do pobre não valerá nada em face do potencial de redução de custos que o seu assassinato representará.
Provavelmente será até o FMI e a União Europeia a exigir a implementação de tais leis para melhorar o deficit orçamental.

Rimantė Šalaševičiūtė teve de se demitir, de seu cargo em fevereiro de 2016, depois de confessar ter tentado subornar um médico.

Fonte: http://www.jornaltornado.pt/

Tom Zé: Impeachment é golpe e Brasil está “entupido” de fascistas

O músico Tom Zé não tem dúvidas. Para ele, o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, que está em curso no Senado, é um golpe. A afirmação foi feita em entrevista ao Diário de Notícias (DN), um dos mais tradicionais jornais portugueses.

“Minha filha, realmente é um golpe, todo o mundo sabe. A gente vive uma ditadura mascarada. [É] Um governo fazendo tudo o que uma democracia não faz e que não quer ser chamado de ditadura”.
O tropicalista acrescentou que tanto a perícia feita por técnicos do Senado quanto o Ministério Público Federal (MPF) esclareceram que Dilma não praticou pedaladas fiscais.

“Todo o dia mudam a acusação [contra Dilma]. Agora no Senado disseram que ela não tem nada com pedaladas fiscais”. “Se muda a acusação, tem de tirar todo o processo de impeachment”, concluiu.
Tom Zé ainda fez duras críticas ao ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que renunciou à presidência da Casa na última semana. “Deus que defenda a humanidade, que aquele é o maior bandido que eu já ouvi falar até hoje”, analisou.

O músico baiano, que foi preso durante a ditadura militar brasileira, afirmou ainda ao jornal português que o Brasil está “entupido” de fascistas. “Hitler está vivo no Brasil. São os que estão no poder”.
No entanto, segundo Tom Zé, o País tem uma espécie de “anticorpo fascista”, uma “assistência imunológica” contra o fascismo, propiciada pela obra de músicos que fizeram resistência ao regime de exceção, como ele próprio e Chico Buarque.

O cantor e compositor esteve em Amarante, Portugal, para participar do Festival Mimo, no qual fez um show na abertura, e também foi homenageado em uma mostra de cinema.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do Diário de Notícias de Portugal

Foto: Divulgação